BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 02 de novembro, 2006 - 20h17 GMT (17h17 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Síria nega plano para derrubar governo libanês
 
Os líderes do Hezbollah, da Síria e do Irã
EUA acusou Síria, Hezbollah e Irã de conspirar contra o Líbano
A Síria negou acusações americanas de que estaria, junto com o Irã e o grupo militante Hezbollah, conspirando para derrubar o governo libanês.

"Os rumores circulados pelo governo americano de acordo com os quais a Síria, o Irã e o Hezbollah estão tentando desestabilizar a situação no Líbano são errados", diz uma nota divulgada pelo Ministério do Exterior sírio.

A posição de Damasco foi expressa de forma ainda mais contundente num editorial do jornal oficial Baath: "Esta vilificação pura tem por objetivo aumentar a confusão no Líbano e provocar o rompimento com a Síria."

Na quarta-feira, o porta-voz da Casa Branca, Tony Snow, disse que o governo do presidente George W. Bush estava "cada vez mais preocupado" com os "crescentes indícios" da existência da um plano para destituir o governo libanês.

Hezbollah

O Hezbollah é apoiado pela Síria e pelo Irã e tem dois ministros no governo libanês.

Mas o grupo militante, que acredita ter saído vitorioso de um conflito com Israel em agosto, está reivindicando um terço dos Ministérios sírios, o que lhe daria poder de veto sobre as decisões do governo.

O líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, ameaçou convocar manifestações de rua em apoio à sua reivindicação de ter mais poder no Ministério.

O analista da BBC Paul Reynolds acredita que o receio americano é que o grupo use o veto para impedir a aprovação do julgamento dos suspeitos pela morte do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri num tribunal internacional.

Hariri foi morto em um atentado em Beirute em fevereiro do ano passado, e a Síria vem sendo acusada de ter participação no crime. Uma equipe da ONU tem investigado o asassinato.

Protestos populares em reação à morte do ex-premiê levaram à retirada das forças sírias do Líbano depois de 29 anos.

O Conselho de Segurança da ONU aprovou a fomação de um tribunal internacional para julgar os acusados de envolvimento na morte de Hariri.

Um esboço do plano foi enviado a autoridades libanesas no dia 21 de outubro, mas ainda precisa ser aprovado pelo gabinete e Parlamento libaneses ou pelo Conselho de Segurança da ONU.

 
 
Conflito no Oriente MédioOriente Médio
Saiba mais sobre o conflito entre Israel e palestinos.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Líbano diz ter apreendido armas do Hezbollah
10 de outubro, 2006 | Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade