BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 21 de novembro, 2006 - 15h07 GMT (13h07 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Ministro libanês é assassinado a tiros em Beirute
 
Pierre Gemayel, ministro da indústria libanês
O pai e o tio de Gemayel foram presidentes do Líbano
O ministro da Indústria do Líbano, Pierre Gemayel, que era cristão, foi assassinado a tiros em Beirute nesta terça-feira.

De acordo com autoridades libanesas citadas pela agência de notícias Reuters, o comboio em que o ministro viajava foi atingido por um homem armado em Sin El-Fil, região cristã situada no sul da capital do país.

Gemayel ainda foi levado às pressas para o hospital, mas não resistiu aos ferimentos.

O pai de Pierre, Amin Gemayel, foi presidente do Líbano, assim como o tio, Bashir.

Reações

O primeiro-ministro do Líbano, Fouad Siniora, disse que o assassinato não vai intimidar o país.

"Assassinatos não vão nos assustar. Nós não vamos deixar que criminosos assassinos controlem nosso destino", afirmou Siniora, em entrevista à imprensa.

Os Estados Unidos descreveram o assassinato de Pierre Gemayel como "um ato de terrorismo e intimidação".

O presidente americano, George W. Bush, disse que apóia o governo de Siniora e o esforço do povo libanês de "defender a sua democracia contra tentativas da Síria, do Irã e seus aliados de fomentar a instabilidade e a violência neste importante país".

Assassinatos no Líbano
Fev 2005: Ex-premiê Rafik Hariri
Jun 2005: Jornalista anti-Síria Samir Kassir
Jun 2005: Ex-líder comunista George Hawi
Dez 2005: Parlamentar anti-Síria Gebran Tueni
Nov 2006: Ministro da Indústria Pierre Gemayel

O primeiro-ministro britânico, Tony Blair, também condenou o assassinato.

A ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni, disse em uma entrevista coletiva em Londres que é muito cedo para dizer quem está por trás do crime, mas afirmou que o papel negativo da Síria na política do Líbano não é um fato novo.

Em nota à imprensa, o Ministério das Relações Exteriores do Brasil afirmou que "o governo brasileiro recebeu com profunda consternação a notícia do falecimento" e "condena com veemência mais esse ato de violência contra uma alta autoridade da nação libanesa".

A nota afirma ainda que "o governo brasileiro espera que os culpados sejam identificados e levados à justiça. Espera, também, que a morte do ministro Gemayel não comprometa as perspectivas de estabilidade e paz no Líbano".

Hariri

Na semana passada, o gabinete libanês, já sem os ministros xiitas, aprovou o esboço das Nações Unidas para o julgamento dos acusados de assassinato do ex-primeiro-ministro Rafik Al-Hariri.

Muitas pessoas acreditam que a Síria tem envolvimento no assassinato de Hariri, ocorrido em uma explosão em 2005, mas Damasco nega qualquer envolvimento.

O filho de Rafik Al-Hariri, Saad Al-Hariri, acusou a Síria de estar por trás dos assassinatos de seu pai e também de Pierre Gemayel.

O assassinato desta terça-feira aumenta a tensão e a crise no governo libanês, cuja maioria tem uma postura contrária ao governo da Síria. O episódio também aumenta o temor de que os confrontos possam se alastrar pelas ruas, segundo o correspondente da BBC em Beirute.

O embaixador americano nas Nações Unidas, John Bolton, disse que não levar adiante o julgamento dos acusados do assassinato de Hariri por causa da tensão no Líbano seria "incrivelmente errado".

Hezbollah

Fouad Siniora disse nesta terça-feira que o governo do país ainda é legítimo, apesar de seis membros do gabinete terem renunciado na semana passada.

Siniora acrescentou que protestos contra o governo podem acabar em violência.

O partido xiita Hezbollah, que é aliado do governo de Damasco, está organizando manifestações para derrubar o governo anti-sírio, que o grupo acusa de ser aliado dos Estados Unidos, e que não seria mais legítimo, uma vez que perdeu a base xiita após as renúncias.

A morte de Gemayel significa que o número de ministros do gabinete libanês diminuiu ainda mais.

 
 
Pierre Gemayal, ministro da indústria libanêsLíbano
Ministro morto era parte de dinastia política cristã.
 
 
Rafik HaririLíbano
ONU diz que Rafik Hariri foi 'assassinado por suicida'
 
 
Conflito no Oriente MédioOriente Médio
Saiba mais sobre o conflito entre Israel e palestinos.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Governo do Líbano aprova tribunal internacional
13 de novembro, 2006 | Notícias
Síria nega plano para derrubar governo libanês
02 de novembro, 2006 | Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade