BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 24 de novembro, 2006 - 04h33 GMT (02h33 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Manifestações políticas marcam funeral de Gemayel
 
Multidão acompanha funeral de Gemayel
Simpatizantes levaram bandeiras do Líbano e do partido de Gemayel
Opositores da influência síria no Líbano transformaram o funeral de Pierre Gemayel, o ministro cristão anti-Síria assassinado na terça-feira, em uma demonstração política de apoio ao governo libanês.

O funeral atraiu uma multidão, que se concentrou no centro da capital libanesa carregando bandeiras e gritando slogans anti-Síria.

Depois da missa, realizada na Catedral de São Jorge, em Beirute, centenas de milhares de pessoas ouviram discursos exaltados de líderes políticos, incluindo o pai do ministro morto, o ex-presidente libanês Amin Gemayel.

Ele pediu o afastamento do presidente do Líbano, Emile Lahoud, que tem uma posição pró-Síria.

Ministro da Indústria e importante líder cristão-maronita, Gemayel foi morto a tiros na terça-feira em seu carro numa área cristã da capital Beirute.

Segundo correspondentes da BBC no Líbano, apesar de a Síria ter condenado o assassinato de Gemayel e negado qualquer envolvimento, muitos libaneses ainda acreditam que o governo de Damasco está por trás do crime.

Segurança reforçada

A segurança foi reforçada para o funeral. Soldados cercaram a catedral, onde o patriarca maronita, Nasrallah Sfeir, conduziu a cerimônia. Sfeir pediu que a população não tente vingar a morte de Gemayel.

Enviados estrangeiros participaram da cerimônia.

O corpo do político de 34 anos foi levado de seu vilarejo natal, Bikfaya, até a catedral em um cortejo acompanhado por dezenas de carros e ônibus levando manifestantes.

Muitas das pessoas presentes levavam bandeiras do Líbano e do Partido Falange, de Gemayel.

Gemayel foi enterrado em sua aldeia natal.

Condolências

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva enviou uma mensagem de condolências ao primeiro-ministro do Líbano, Fouad Siniora, manifestando "profunda consternação" com o assassinato.

"O governo brasileiro espera que as lamentáveis circunstâncias da morte de Pierre Gemayel não comprometam as perspectivas de estabilidade e paz no Líbano, país com o qual o Brasil guarda laços históricos e fraternais", diz a mensagem.

Gemayel foi o quinto político libanês anti-Síria assassinado em dois anos. Sua morte intensificou uma crise aguda no Líbano entre forças anti-Síria, que apóiam o governo de Siniora, e grupos pró-Síria, como o Hezbollah.

Seis ministros pró-Síria renunciaram. Agora, a morte ou a renúncia de mais dois ministros seria suficiente para derrubar o governo de Siniora.

Tribunal

Na quarta-feira, o Conselho de Segurança da ONU concordou com o pedido do Líbano para que ajude nas investigações sobre o assassinato.

Um dia antes, o Conselho já havia aprovado planos para a criação de um tribunal internacional para julgar os suspeitos pelo assassinato do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, em fevereiro de 2005. Hariri também era um forte opositor da influência da Síria sobre o Líbano.

Também na quarta-feira, o presidente americano, George W. Bush, prometeu ao primeiro-ministro do Líbano que ajudará o país a se defender do que chamou de "intromissões do Irã e da Síria".

Em uma declaração divulgada nesta quinta-feira, a Síria voltou a condenar o assassinato de Gemayel e acusou pessoas (sem citar nomes) de estarem "explorando o crime para fins pessoais".

Em 2005, com a intensa pressão internacional provocada pelo assassinato de Hariri, a Síria retirou suas tropas do Líbano depois de 29 anos de domínio militar e político sobre o país vizinho.

 
 
Pierre Gemayal, ministro da indústria libanêsLíbano
Ministro morto era parte de dinastia política cristã.
 
 
Funeral de Pierre GemayelPierre Gemayel
Milhares vão ao funeral. Veja fotos.
 
 
Bandeiras do LíbanoEntenda a crise
Situação no Líbano pode influenciar todo o Oriente Médio.
 
 
George W. Bush em Saigon, em novembroCaio Blinder
Confluência de crises no Oriente Médio desafia governo Bush.
 
 
Conflito no Oriente MédioOriente Médio
Saiba mais sobre o conflito entre Israel e palestinos.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Multidão acompanha funeral no Líbano
22 de novembro, 2006 | Notícias
Governo do Líbano aprova tribunal internacional
13 de novembro, 2006 | Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade