BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 29 de dezembro, 2006 - 02h02 GMT (00h02 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Chávez anuncia que vai negar licença para TV privada
 
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez
Decisão de Chávez foi considerada violação da liberdade de expressão
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou nesta quinta-feira que não irá renovar a licença da segunda maior rede de televisão do país porque ela não estaria "servindo às pessoas".

Chávez disse que a Rádio Caracas Televisão (RCTV), que é alinhada com a oposição e apoiou a greve nacional contra Chávez em 2003, não vai receber uma nova licença quando a atual expirar, em março de 2007.

Em sua mensagem de fim de ano a um grupo de militares, Chávez disse que o diretor da RCTV, Marcel Granier, "pensava que a concessão era eterna".

"É melhor que vá arrumando suas malas e pensando no que vai fazer a partir de março. Não haverá nova concessão para esse canal golpista chamado Rádio Caracas Televisão", disse Chávez.

O presidente afirmou que o canal estava "a serviço de golpes contra a população, contra a nação, contra a independência nacional e contra a dignidade da República".

Críticas

Conforme correspondentes na Venezuela, este é o primeiro ato político significativo de Chávez desde que foi reeleito, no início do mês.

Os meios de comunicação da Venezuela operam com licenças concedidas pela Comissão Nacional de Telecomunicações, ligada ao Ministério de Infra-estrutura.

Fundada em 1953, a RCTV é o mais antigo canal privado de televisão da Venezuela e o segundo em audiência.

A RCTV tem sido um dos meios mais críticos ao governo de Chávez e manteve sua linha dura mesmo depois do triunfo do presidente no referendo de 2004, quando outros canais suavizaram suas críticas.

Segundo a organização Repórteres Sem Fronteiras, a decisão de Chávez representaria uma grave violação da liberdade de expressão na Venezuela.

O representante da organização na Venezuela, Andrés Cañizalez, afirmou que o canal não é acusado de ter violado a Lei de Responsabilidade Social de Rádio e Televisão ou a Lei Orgânica de Telecomunicações, o que leva a crer que trata-se de uma "represália política".

"Independentemente de se concordar ou não com os conceitos expressos pela RCTV, no atual contexto em que a Venezuela se encontra é mais saudável que exista uma RCTV do que tenhamos em seu lugar outro canal do Estado ou um canal privado aliado do Estado", disse Cañizalez.

Em sua primeira reação às declarações de Chávez, Granier disse ao canal de televisão Globovisión que o presidente estava "mal informado". O diretor da RCTV afirmou que tem os documentos necessários para provar que a concessão do canal vence em 2022.

"A verdade é que o governo tem muito pouca autoridade para falar de golpismo (...) com pessoas que participaram de golpes de Estado sangrentos, irresponsáveis, não vou entrar em uma discussão. (...) a RCTV sempre esteve comprometida em fomentar o pluralismo, a solução pacífica dos conflitos (...)", disse Granier.

 
 
Hugo ChávezVenezuela
Chávez 'quer reforma constitucional profunda'.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Chávez exige que embaixador dos EUA se desculpe
21 de dezembro, 2006 | Notícias
Chávez diz que Fidel Castro não tem câncer
16 de dezembro, 2006 | Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade