BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 06 de maio, 2007 - 18h13 GMT (15h13 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Turquia convoca eleição direta para presidente
 
Abdullah Gul, ministro do Exterior turco
Gul é candidato do governo, mas a oposição não o aceita
O partido do governo na Turquia convocou neste domingo eleições presidenciais diretas, depois que seu candidato foi novamente derrotado pela oposição em um pleito realizado no Parlamento.

O único candidato à Presidência, o ministro das Relações Exteriores Abdullah Gul, decidiu renunciar à disputa. Ele disse que o correto a se fazer agora é deixar o povo turco escolher diretamente o próximo presidente.

O principal partido da oposição, o secularista CHP, boicotou a votação no Parlamento neste domingo, impedindo que a sessão para escolha do novo presidente obtivesse quorum suficiente.

A oposição acusa Gul de ter uma agenda islâmica para governar o país.

O partido do governo, AK, protestou contra a oposição no parlamento, afirmando que o boicote foi "algo como disparar uma bala contra a democracia".

O primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan, líder do AK, convocou eleições gerais para presidente para o dia 22 de julho.

Ele disse que gostaria que o presidente servisse por, no máximo, dois mandatos de cinco anos, em vez de um mandato de sete anos. Já o mandato do parlamento deveria ser reduzido, segundo o premiê, de cinco para quatro anos.

No sábado, milhares de turcos foram às ruas no oeste da Turquia para pedir que Gul renunciasse e que o sistema secular do país fosse mantido.

A correspondente da BBC em Istambul Sarah Rainsford afirma que a principal questão agora é saber quem o partido do governo vai indicar como novo candidato, e se esse indicado terá ou não relações políticas com o Islã.

'"Sem ressentimento'

"Depois disso (...) minha candidatura está fora de questão. Eu não sinto ressentimento", disse Abdullah Gul, após as eleições frustradas no domingo.

O Parlamento precisava atingir um quorum de 367 deputados – ou dois terços da casa – mas apenas 358 compareceram, informou o porta-voz parlamentar, Bulent Arinc. O AK tem 350 vagas no Congresso.

A disputa pela Presidência expôs divisões grandes na Turquia. O Exército, que é considerado um dos guardiões da constituição secular do país, manifestou sua oposição a Gul, a quem acusam de ter uma agenda islâmica para governar o país.

O ministro havia prometido aderir aos princípios seculares da República caso fosse eleito, mas sua promessa não foi suficiente para impedir protestos nas cidades de Manisa e Canakkale no sábado.

Outras demonstrações em Ancara e Istambul já haviam levado mais de um milhão de pessoas às ruas contra ele.

O mandato do atual presidente, Ahmet Necdet Sezer, termina no dia 16 de maio. Espera-se que as novas eleições presidenciais diretas ponham fim ao impasse político entre governo e oposição no país.

 
 
Manifestação na TurquiaEntenda
Turquia atravessa momento de crise política.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade