BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 26 de setembro, 2007 - 22h15 GMT (19h15 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Pentágono pede US$ 189 bi para financiar guerras
 
O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates
Gates quer investigação de empresas de segurança no Iraque
O secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, pediu nesta quarta-feira ao Congresso americano que libere uma verba adicional de US$ 42 bilhões para financiar as operações militares americanas no Iraque e no Afeganistão.

O governo americano já tinha apresentado, em fevereiro, um orçamento de US$ 141,7 bilhões para as operações militares, e em julho, um pedido de mais US$ 5,3 bilhões. Com a verba solicitada nesta quarta-feira, já chega a cerca de US$ 189 bilhões o montante solicitado.

Segundo Gates, boa parte do dinheiro extra solicitado nesta quarta-feira, US$ 11 bilhões, serão investidos em sete mil veículos blindados adicionais, resistentes a minas.

As explosões de bombas em estradas são uma das principais causas de mortes de soldados americanos em missões no Iraque.

A verba extra também inclui:

  • US$ 9 bilhões que seriam usados para reformar equipamentos e desenvolver tecnologias para uso em conflitos
  • US$ 6 bilhões que iriam para treinamento e compra de equipamentos para os soldados
  • US$ 1 bilhão para a melhoria e consolidação das bases americanas no Iraque
  • US$ 1 bilhão para treinar e equipar forças americanas

Os US$ 189 bilhões cobririam os custos com guerras no ano fiscal de 2008, que começa na segunda-feira.

Blackwater

Gates disse que ele está ciente das preocupações acerca do envolvimento americano no Iraque.

“Eu sei que o Iraque e outras escolhas difíceis que os Estados Unidos têm que fazer na Guerra contra o Terror vão continuar a ser uma fonte de atrito entre o Congresso e o presidente e no seio da opinião pública”, disse.

O secretário também disse no Congresso que está preocupado com o fato de o Pentágono não ter supervisionado com cuidado o trabalho das empresas de segurança privadas que operam no Iraque.

Neste mês, uma empresa americana, a Blackwater, se envolveu em um incidente em Bagdá em que 11 pessoas morreram, provocando revolta no Iraque.

Segundo o porta-voz do Ministério da Defesa Geoff Morrell, Gates decidiu enviar ao Iraque um grupo de investigação para analisar como trabalham as empresas de segurança privadas.

Mortes

No Iraque, militantes foram acusados de matar pelo menos 50 pessoas em uma série de atentados a bomba, também nesta quarta-feira.

De acordo com a polícia, 32 pessoas morreram na explosão de dois carros bombas em um bairro de maioria xiita de Bagdá. Foi um dos ataques mais sangrentos na capital iraquiana nas últimas semanas.

Um porta-voz militar americano, General Kevin Bergner, reconheceu que tem ocorrido um aumento da violência no Iraque nos últimos dias, especialmente em áreas onde se sabe que a rede extremista Al-Qaeda mantém operações.

Bergner disse que isso era esperado durante este mês sagrado do Ramadã para os muçulmanos, e que o número de ataques no país caiu em relação ao mesmo período do ano passado.

 
 
Criança ferida no IraqueEnquete no Iraque
Para 70% dos iraquianos, segurança piorou.
 
 
Soldado americano no IraquePesquisa BBC
67% em 22 países querem retirada rápida do Iraque.
 
 
Iraque
Leia notícias sobre o novo governo e a violência no país.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
'EUA investigam Blackwater por contrabando'
22 setembro, 2007 | BBC Report
Violência deixa pelo menos 30 mortos no Iraque
16 de setembro, 2007 | Notícias
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade