BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 07 de outubro, 2007 - 00h45 GMT (21h45 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Musharraf pede reconciliação no Paquistão
 
Cartazes da campanha de Pervez Musharraf
Suprema Corte avalia se candidatura de Musharraf é legítima
O general Pervez Musharraf pediu reconciliação nacional após vencer neste sábado a controvertida eleição para presidência do Paquistão. Musharraf pediu ainda que seus oponentes não participem de manifestações ou greves contra ele.

De acordo com autoridades paquistanesas, o atual presidente conquistou quase todos os votos no Parlamento e nas quatro Assembléias provinciais do país, mas a Suprema Corte diz que o vencedor não poderá ser declarado até que decida se o general Musharraf podia concorrer enquanto acumulava as funções de presidente e chefe do Exército.

Parlamentares da oposição se abstiveram ou boicotaram a eleição, que chamaram de inconstitucional.

Os aliados de Musharraf dominam as assembléias do país, graças às eleições de cinco anos atrás que foram consideradas fraudulentas.

Segundo seus advogados, Musharraf vai deixar o cargo militar, mas apenas se for reeleito como presidente.

Confusão

“Nós não vamos aceitá-lo como presidente… ele é uma pessoa que quase não tem respeito pela lei”, disse Sadique ul-Farooq, líder do partido do ex-premiê exilado Nawaz Sharif, à agência Associated Press.

A decisão da Suprema Corte, tomada na sexta-feira, gerou confusão sobre a votação.

Segundo a correspondente da BBC em Islamabad, Bárbara Plett, autoridades do governo disseram que se trata de uma formalidade, mas analistas dizem que foi um sério golpe que colocará em dúvida a legitimidade do pleito.

Os juízes disseram que não terão uma decisão final sobre o impasse antes de 17 de outubro, que coincide com a data em que a ex-primeira-ministra Benazir Bhutto promete voltar ao Paquistão após anos de exílio voluntário.

Musharraf e Bhutto negociam um possível acordo de divisão de poder.

Por causa do acordo, os membros do partido da ex-premiê, o maior do país, se abstiveram de votar, mas não participaram do boicote da oposição.

O general espera também que o acordo dê mais credibilidade a seu governo, instituído através de um golpe militar em 1999.

Ele retirou as acusações de corrupção contra Bhutto, ao assinar uma lei que absolve qualquer pessoa acusada – mas não condenada – por corrupção entre 3 de janeiro de 1986 e 12 de outubro de 1999.

Correspondentes dizem que Musharraf está esperando o veredito da Suprema Corte para formalizar o acordo.

 
 
Preso e deportado
Ex-premiê paquistanês é impedido de retonar ao país.
Veja
 
 
O ex-primeiro-ministro do Paquistão Nawaz SharifAnálise
Presidente do Paquistão arriscou ao deportar ex-premiê.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade