BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 09 de novembro, 2007 - 20h28 GMT (18h28 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Prisão domiciliar de Bhutto é suspensa no Paquistão
 
Benazir Bhutto
Ex-primeira-ministra discursou atrás de barricadas de prisão domiciliar
A líder da oposição paquistanesa Benazir Bhutto teve sua ordem de prisão domiciliar suspensa nesta sexta-feira, horas após a medida ter sido imposta.

A ex-primeira-ministra recebeu uma intimação que determinava sua detenção por 30 dias ao tentar sair de sua casa, na cidade de Islamabad, para se dirigir a um comício contra o estado de emergência decretado pelo presidente Pervez Musharraf, na cidade de Rawalpindi, convocado por seu partido (o PPP, Partido do Povo Paquistanês).

A tropa de choque bloqueou a rua onde fica a casa de Bhutto com arame farpado na manhã desta sexta-feira e não deixou ninguém sair ou entrar no local. A intimação foi entregue a Bhutto quando ela tentava atravessar o bloqueio da polícia.

"Pedimos para que o general Musharraf mantenha seu compromisso e se aposente como chefe do Exército no dia 15 de novembro", disse Bhutto, usando um megafone, à imprensa e a seus simpatizantes.

Reação americana

Forças de segurança paquistanesas bloquearam as estradas próximas à cidade de Rawalpindi, o local da manifestação, e utilizaram gás lacrimogêneo para dispersar a multidão.

O PPP diz que 5 mil de seus simpatizantes já foram presos desde o final de semana passado e que 100 pessoas foram detidas na frente da casa de Bhutto nesta sexta-feira.

Analistas dizem que os acontecimentos desta sexta-feira devem melhorar a imagem de Bhutto como "defensora da democracia". Alguns partidos acreditavam que ela poderia fazer um acordo com Musharraf.

Os Estados Unidos consideram o governo de Musharraf um importante aliado na luta contra o Talebã, mas criticaram a prisão domiciliar de Bhutto e disseram que ela deveria ter "liberdade de movimento”.

"Estamos preocupados com o contínuo estado de emergência e a proibição de liberdades básicas, e pedimos para que as autoridades paquistanesas restituam rapidamente a ordem e as leis democráticas", disse Gordon Johndroe, porta-voz da Casa Branca.

Segurança

O vice-ministro da Informação paquistanês, Tariq Azim, havia dito à BBC que Bhutto estava sendo mantida em sua casa para "sua segurança". A polícia afirmou que suicidas planejavam atacar a manifestação de Rawalpindi.

Em outubro, Bhutto sobreviveu a uma tentativa de assassinato em Karachi em que cerca de 140 pessoas morreram.

Concentrações públicas estão proibidas no Paquistão sob o atual estado de emergência, imposto no sábado passado pelo presidente Pervez Musharraf.

Na quinta-feira, Musharraf prometeu que realizará eleições parlamentares até 15 de fevereiro, horas depois de ser pressionado pelo governo americano a realizar o pleito em janeiro, como previsto.

Benazir Bhutto considerou o anúncio de Musharraf "vago", e pediu ao general que abra mão de seu papel de chefe militar.

 
 
Paquistão
Bhutto convoca protestos.
Veja
 
 
Jornais'New York Times'
Lei marcial no Paquistão realça fracasso de Bush.
 
 
Policiais detêm advogado no PaquistãoPaquistão
Polícia reprime protestos
Veja
 
 
O presidente do Paquistão, Pervez MusharrafPaquistão
Tire suas dúvidas sobre a crise política no país.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade