BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 16 de setembro, 2004 - 15h30 GMT (12h30 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Controle isola muçulmanos chineses do mundo islâmico
 

 
 
Hong Yang
Hong Yang é líder espiritual de um milhão de chineses
Disseminar a fé é uma obrigação do islamismo, mas para os 20 milhões de muçulmanos chineses, isso é possível apenas dentro dos limites de uma mesquita.

O governo ateu chinês desconfia de qualquer um que possa ter a lealdade dividida, especialmente dos que possam ser mais fiéis a uma religião. A estratégia é incorporar os líderes religiosos dentro da hierarquia comunista.

Hong Yang é um consultor do governo, além de líder espiritual de um milhão de muçulmanos na província de Ningxia, o coração islâmico da China.

"Obviamente, o ideal seria que eu fosse uma figura meramente religiosa. Mas aqui é a China", diz Hong. "Se sirvo de ponte entre o governo e o povo, todos ganham."

Conflito

A liberdade religiosa é garantida pela Constituição chinesa, mas desde que sejam obedecidos os "limites impostos pela lei e pela política chinesa", diz Hong.

"Não queremos ultrapassar esses limites, porque isso pode gerar conflito e instabilidade para toda a sociedade."

Rituais religiosos apareceram novamente no país apenas durante os anos 80, após décadas de repressão comunista que baniu qualquer manifestação mística.

O islamismo atualmente cresce no país, e o governo teme o fervor de seus fiéis. No passado, a região de Ningxia foi palco de rebeliões contra o governo central.

As autoridades em Pequim monitoram de perto os muçulmanos que permaneceram isolados de outras comunidades islâmicas no mundo.

De acordo com Khaled Abou El-Fadl, da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, isso fez com que antigas tradições, como a das juristas mulheres, continuassem no país, apesar de extintas em outras partes.

"Movimentos mais modernos, que buscam versões mais radicais e puritanas do islamismo, não conseguiram penetrar na China", diz El-Fadl.

"É possível que, da periferia do islamismo, a nobre tradição das mulheres juristas possa ser revivida."

 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
 
 
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade