70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 04 de fevereiro, 2006 - 08h50 GMT (06h50 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
ONU admite que desarmamento no Haiti fracassou
 

 
 
Juan Gabril Valdes, chefe da Missão da ONU no Haiti
Juan Gabril Valdes, chefe da missão da ONU no Haiti
A ONU fracassou nos esforços de desarmar a população civil no Haiti, admitiu o chefe da missão de paz no país, embaixador Juan Gabriel Valdes.

"O grande fracasso da missão tem sido a dificuldade no processo de desarmamento", afirmou Valdes em entrevista à BBC na mansão onde vive em Porto Príncipe.

Dois anos depois da queda do presidente Jean-Bertrand Aristide, acusado de armar milícias durante o seu governo, estima-se que 210 mil armas circulem no país de 8 milhões de pessoas. A maioria estaria nas mãos de gangues, que as usam em seqüestros, assaltos e tráfico de drogas.

Segundo Valdes, a dificuldade em desarmar a população civil – um dos objetivos da missão que envolve mais de 9 mil militares e policiais da ONU – advém do fato de que não existe no país um ambiente em que as pessoas se sintam seguras para abrir mão do que pode ser não só seu único meio de proteção, mas também seu sustento.

"O que temos aqui são indivíduos que possuem armas que são provavelmente o maior bem que possuirão na vida. Esses individuos mantêm essas armas porque eles não confiam no futuro, porque sabem que essas armas são a única forma de entrar nas gangues ou serem salvos das gangues”, disse o diplomata chileno.

"Temos de criar confiança, erradicar o medo, que é uma precondição que ainda não alcançamos e que apenas o tempo vai produzir.”

Sem poder contar com a segurança pública, as elites contratam servicos de empresas particulares, negócio que se proliferou nos ultimos dez anos no Haiti.

Mas a população que não pode arcar com esse luxo fica sujeita à ação das gangues, tendo que, como no caso das favelas e os traficantes brasileiros, morar cara a cara com os bandidos.

Eleições

O general José Elito Siqueira, brasileiro que comanda as tropas da ONU no Haiti e está subordinado a Valdes, só tem elogios para a atuação do contingente que acaba de asumir, mas no caso do desarmamento também reconhece que a missão está com "meio objetivo conquistado".

"Sem uma situação planejada de reintegração, fica difícil haver o desarmamento e a reintegração, isso realmente precisa melhorar", disse Siqueira. "Uma pessoa não vai entregar uma arma se não tiver esperanças (de melhora)."

Tanto Valdes como Siqueira dizem que o Haiti tem uma "tradição" de violência nas eleições, mas ambos minimizam preocupações de que isso vai dissuadir os haitianos de ir às urnas no próximo dia 7 – o voto é facultativo no país.

"Nós temos informação que nos faz pensar que certos grupos gostariam de agir para impedir essas eleições, mas acho que com 7,4 mil soldados, 2 mil policiais internacionais e 5 mil policiais nacionais, nós nos mobilizamos de forma a desencorajar esse tipo de ação.”

Apesar das tentativas da ONU de assegurar à população de que estará protegida pelo esquema especial de segurança, a organização humanitária Oxfam diz que parte dos eleitores não se sente segura para percorrer quilômetros até o centro de votação mais próximo.

"Muitos residentes de Porto Príncipe nos contaram que estão com muito medo para fazer a viagem para votar na terça-feira”, disse o diretor da Oxfam no Haiti, Yolette Etienne, em um comunicado divulgado na sexta-feira.

Venda de armas

Além do mea culpa em relação ao desarmamento, no entanto, Valdes cobra dos vizinhos, inclusive dos Estados Unidos, maior controle sobre a venda de armas para o Haiti – que, segundo ele, vem especialmente da Flórida, nos Estados Unidos, e da República Dominicana, país com o qual o Haiti divide e Ilha Hispaniola.

"Conseguimos controlar um pouco do tráfico da República Dominicana, mas a Minustah infelizmente não controla o mar em volta desta ilha. O envio de armas continua a ser uma dificuldade e acho que uma das decisões que o Conselho de Segurança terá de considerar será pedir melhor controle dos países que cercam o país no que diz respeito à venda de armas a grupos dentro do Haiti."

Segundo a Oxfam, os Estados Unidos têm sido os maiores fornecedores de armas legais e ilegais ao Haiti desde a década de 80, quando o país estava sob o regime militar de Jean-Claude Duvalier ("Baby Doc").

"Nos últimos dois anos, (o país) fez uma grande exceção a seu embargo de armas de 14 anos, fornecendo 2,6 mil armas à polícia em 2004 e aprovando uma outra venda em 2005 de pistolas, rifles e gás lacrimogêneo, no valor de US$ 1,9 milhão", afirma a ONG britânica.

De acordo com a Oxfam, essas transações foram feitas com base em "exceções" previstas no embargo de 1991.

A Oxfam tambem acusa o Brasil e outros países de vender armas licenciadas ao Haiti há "décadas" e defende a aprovação do Tratado de Comércio de Armas, que prevê a proibição da venda de armas a países onde elas possam ser usadas em violações de direitos humanos.

 
 
HaitiEntenda melhor
Como funciona o sistema eleitoral no Haiti? Leia aqui.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade