70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 05 de fevereiro, 2006 - 08h41 GMT (06h41 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Milícias sudanesas 'estão atacando civis no Chade'
 
Soldado do Chade patrulha fronteira com o Sudão
Controle não consegue evitar infiltrações na fronteira
Milícias na região de Darfur, no oeste do Sudão, estão promovendo ataques quase diários contra vilarejos no vizinho Chade, segundo denúncia da organização internacional Human Rights Watch.

A organização, baseada em Nova York, diz que a maioria dos ataques foi promovida por milicianos do Sudão e do Chade, aparentemente com algum apoio do governo sudanês.

A Human Rights Watch defende a presença de uma força internacional expandida em Darfur. A organização diz que uma força internacional também é necessária ao longo da fronteira para proteger os civis do Chade.

A milícia pró-governo Janjaweed é acusada de matar milhares de civis em ataques a vilarejos em Darfur e de forçar 2 milhões de pessoas a deixar a região em represália a um levante rebelde na área.

Ataques documentados

Pesquisadores da Human Rights Watch dizem ter documentado inúmeros ataques contra vilarejos no Chade por milícias que haviam cruzado a fronteira do Sudão.

Segundo eles, os milicianos mataram civis, queimaram vilarejos e roubaram gado.

O relatório da organização afirma que quase metade dos 85 vilarejos na região de Barotta, no Chade, foi atacada e posteriormente abandonada, com 16 moradores mortos em um único mês.

A Human Rights Watch diz ter recebido a informação de testemunhas de que os responsáveis eram árabes usando roupas do exército sudanês e falando árabe sudanês.

Alguns dos ataques também teriam sido cometidos por rebeldes do Chade que operam em bases em Darfur.

Árabes poupados

O relatório diz ainda que a maioria das vítimas no Chade, assim como em Darfur, é de grupos étnicos africanos e que os civis árabes vivendo na mesma região não foram perturbados.

Segundo a Human Rights Watch, dezenas de milhares de pessoas no Chade já foram expulsas de suas casas por causa da violência.

“A política do Sudão de armar milícias e de deixá-las livres está passando ao outro lado da fronteira. Os civis não têm proteção contra seus ataques, em Darfur ou no Chade”, disse o diretor da organização para a África, Peter Takirambudde.

Atualmente cerca de 7 mil soldados da União Africana tentam manter a segurança na vasta região de Darfur.

Porém o financiamento para a missão está terminando, e o Conselho de Segurança da ONU discute mudá-la para uma missão de manutenção de paz das Nações Unidas.

A Human Rights Watch diz que qualquer missão da ONU deveria ter um mandato forte para proteger a si mesmo e aos civis, com força se necessário, e desarmar e dispersar as milícias sudanesas apoiadas pelo governo.

 
 
Embaixada dinamarquesa em chamasProtestos
Sírios incendeiam embaixada da Dinamarca; assista.
 
 
Bandeira dinamarquesa é queimadaCharge polêmica
Embaixada da Dinamarca é incendiada; veja.
 
 
Soldado brasileiro da ONU revista suspeitos em Cité Soleil, na capital haitianaHaiti
Ação em favela cria dilema para general brasileiro.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ONU elogia processo de paz no Sudão
28 de agosto, 2005 | Notícias
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade