70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 22 de maio, 2006 - 08h26 GMT (05h26 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Ivan Lessa: Quem googleia o quê?
 
Ivan Lessa
Eu googleio, tu googleias, ele googleia. O verbo ainda não foi devidamente dicionarizado no Brasil.

Googleiem no Houaiss, abram Aurélios e Aureliões, Caldasauletizem-se. Nada.

Engenhando-me na busca, só dei com googlar na Wikipédia, dicionário eletrônico aberto a todos, e que muitos criticam pela prática excessiva de democracia, uma vez que presta-se à edição feita pelo consulente.

Lá está: “o verbo googlar (ou “guglar”) é um neologismo que significa executar uma pesquisa na Internet pelo motor de busca Google. (…) A Sociedade Americana de Dialetos escolheu o verbo to google como “a mais útil palavra de 2002”.”

E a Wikipédia (que, aliás, prefere “motor” a “engenho”, para meu desgosto) acrescenta que o Google não incentiva o uso de qualquer palavra relacionada à sua marca registrada, já que teme um possível desgaste, conforme aconteceu com ioiô, xerox e gilete.

Tão vendo por que falam mal da Wikipédia? Meu ioiô, meu xerox e minhas giletes continuam novinhos em folha. O que se desgastou mesmo foi minha Olivetti Littera 53.

Googlar, ou guglar (prefiro com dois Os. A segunda forma parece, como diria o Houaiss eletrônico, a voz do peru), googlar, dizia eu, é, pois, ainda, um neologismo. Questão de tempo virar apenas logismo. E não adianta pesquisar “logismo” porque não tem. Acabei de cunhar.

O mundo a googlar

Motor ou engenho, o Google é pesquisado “n” bilhões de vezes por dia em todo o mundo, segundo dados fornecidos pela publicação online Google Trends, que merece uma chegadinha lá, para quem não tem muito o que fazer na vida, como todo internauta.

As “tendências” googlianas especificam o que está sendo googlado e em que parte do mundo.

Os resultados são divertidos e esperados: dizem tudo e não dizem nada sobre este e aquele outro país, o que é, admitamos, a cara de 99% de toda e qualquer computação.

Senão, vejamos, sempre segundo Google Trends:

No Brasil, os UFOs, ou objetos voadores não identificados (OVNIs) chegam em primeiro lugar, desmentindo assim o que escrevi outro dia mesmo dizendo que ninguém mais ligava para discos voadores e que tais. (Atenção: googlar “que tais”.)

Em segundo lugar, Einstein, que, na disputa de bola googliana, acabou levando vantagem no corpo a corpo com Pelé, que pegou apenas um honroso terceiro lugar.

Em quarto lugar, playboy, o que me parece muito estranho, a não ser que seja a revista ou gíria nova para alguém ou alguma prática horrenda, e não “mauricinho”. Depois eu googlo e confiro.

Finalmente, em quinto lugar, samba, o que me anima um pouco e, como Waldir Calmon, no Arpège, me convida a dançar, pois, a frio e a seco, eu jurava que ia dar funk ou rap. Só por causa disso, vou googlar, ainda hoje, a palavra “samba” umas dez vezes, para fazer média ponderada.

Mundial de buscas

O resto do mundo continua buscando esquisitices que nada revelam sobre este ou aquele outro país, a não ser para quem tem muita, ou nenhuma, imaginação.

Os irlandeses querem saber de solidão e irrigação do cólon. Os americanos têm mais interesse em cheeseburger e “brinquedos sexuais” do que em Osama bin Laden.

Aqui na Grã-Bretanha, leva para a casa a coroa uma moça (vestida, frise-se) chamada Chantelle, que saiu vencedora no último Big Brother. Depois, o danado do iPod, que não perde por esperar o dia de ser lexicografado.

Os argentinos, quem diria, preferem Robbie Williams (conhecem?) e não mais Gardel.

A África do Sul vai de “bestialismo” (epa!), o Peru de Pamela Anderson (ainda?) e a Itália, como o samba, confirmando a tradição, prefere “pasta”, no que faz muitíssimo bem, non é vero?

Índia? Primeira coisa que os indianos googlam é piada, já que são todos uns tremendos gozadores. As Filipinas acompanham a moda: preferem o execrável (seja livro ou filme) “Código da Vinci”.

Uma perguntinha: eu, você e o mundo inteiro sabemos que o mais se quer saber e ver é – bidu! – “safadeza”. Pra mim, Google, e suas tendências, estão é tapando o sol com a peneira.

Agora só nos resta googlar “bidu” e a expressão “tapar o sol com a peneira”.

 
 
Arquivo - Ivan
Leia as colunas anteriores escritas por Ivan Lessa.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Ivan Lessa: A crise dos pauzinhos
19 maio, 2006 | BBC Report
Ivan Lessa: Esta bola é um mundo!
17 maio, 2006 | BBC Report
Seus dois pence valem um milhão
15 maio, 2006 | BBC Report
Ivan Lessa: Em torno do tornozelo
08 maio, 2006 | BBC Report
Ivan Lessa: Partidos e repartidos
05 maio, 2006 | BBC Report
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade