BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 20 de setembro, 2006 - 19h48 GMT (16h48 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Caio Blinder: Novo dirigente japonês é um samurai de ambigüidade
 

 
 
Líder japonês Shinzo Abe
Shinzo Abe quer posição política para o Japão
Na véspera de completar 52 anos, Shinzo Abe recebeu um presente previsível na quarta-feira: a liderança do governista Partido Liberal Democrático.

O presente maior será dado na semana que vem com a consagração de Abe no Parlamento japonês como o sucessor do primeiro-ministro Junichiro Koizumi.

Já os vizinhos do Japão não estão seguros se podem se sentir igualmente recompensados com a escolha de um dirigente que, ainda mais do que Koizumi, não esconde sua ambição de que o país tenha uma voz política no cenário mundial compatível com sua importância econômica.

Inquietações existem em particular na China e na Coréia do Sul (vítimas do expansionismo imperial japonês na primeira metade do século 20) e também na comunista Coréia do Norte, hoje vista como a maior ameaça à segurança do Japão.

Abe ganhou espaço politico em 2002 com sua atitude dura (e popular), criticando as autoridades de Tóquio por não investigar a fundo as alegações (que eram corretas) de que a Coréia do Norte seqüestrara cidadãos japoneses durante a Guerra Fria. E ele declara com insistência sua intenção de reescrever a Constituição pacifista do Japão, legado da ocupação americana no pós-guerra.

'Geração pós-guerra'

Os motivos de alarme regional não páram por aí: como Koizumi, Abe é visitante freqüente do santuário de Yasukuni, onde criminosos de guerra são honrados ao lado de outros 2,5 milhões de japoneses que morreram em combate. Para Abe, o Japão já se desculpou um número de vezes suficiente (mais de 20) pela Segunda Guerra Mundial.

Ele e seus partidários argumentam que tomam atitudes que refletem o amadurecimento da democracia japonesa e o passar dos tempos. Abe diz que ele representa a "geração pós-guerra". E, de fato, sua ascensão ao poder é histórica. Ele será o mais jovem dirigente japonês desde 1945 e o primeiro que nasceu depois da Segunda Guerra.

Abe é o futuro, mas também o passado. Seu avô Nobusuke Kishi foi arquiteto-chave da expansão imperial japonesa nos anos 30, integrante do ministério que assinou a declaração de guerra contra os EUA em 1941 e, após a derrota em 1945, preso e detido, embora nunca julgado. Kishi retornou ao jogo politico e foi primeiro-ministro entre 1957 e 1960. É qualificado por seu neto como um "estadista combatente".

Ambigüidade

Agora todos estão de olho na intensidade dos combates de Shinzo Abe. Apesar da reputação de falar o que pensa e de agir de forma incendiária, existe ambigüidade no futuro primeiro-ministro.

Não é à toa que para alguns ele irá reforçar o nacionalismo japonês até com pitadas militaristas, com estímulo de setores mais conservadores dos EUA, que investem no país como um contraponto à inevitável hegemonia chinesa e também a uma Coréia do Norte possivelmente com armas nucleares.

Mas há a visão de que Abe, no poder, irá se curvar à realidade, forçado a aceitar a importância estratégica das relações econômicas do seu país com a China.

Nas últimas semanas, ele amansou sua conversa mais dura e não esclareceu que, se como primeiro-ministro, irá visitar o santuário de Yasukuni. Em uma ambigüidade calculada, Abe poderá ficar ao largo do memorial, sem prometer formalmente que não irá visitá-lo.

Paradoxalmente, é possivel que o diálogo Tóquio- Pequim, suspenso no governo de Koizumi, seja retomado com Abe.

Como o visceral anticomunista ex-presidente americano Richard Nixon que foi a Pequim nos anos 70, o agressivo nacionalista Abe teria credibilidade para aparar as arestas com a emergente superpotência chinesa. Seria um presente para a estabilidade regional e mundial.

 
 
Premiê japonês Shinzo AbePerfil
Futuro premiê japonês é líder popular, mas inexperiente.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
EUA e Japão chegam a acordo sobre Okinawa
26 de outubro, 2005 | Notícias
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade