BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 27 de setembro, 2006 - 20h55 GMT (17h55 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Venda de órgãos para transplantes 'prospera' na China
 
Prisioneiro chinês em execução pública
Autoridades dizem que prisioneiros são voluntários para doações
Uma investigação realizada pela BBC na China revelou que a venda de órgãos retirados de prisioneiros executados está prosperando no país.

A investigação descobriu que órgãos dos condenados à morte são vendidos para estrangeiros que precisam de transplantes.

Um hospital afirmou que poderia fornecer um fígado a um custo de US$ 94,4 mil (cerca de R$ 209 mil), com o cirurgião-chefe confirmando que um prisioneiro poderia ser o doador.

O Ministério da Saúde da China não negou a prática, mas afirmou que está examinando o sistema e seus regulamentos.

”Presente à sociedade”

O jornalista da BBC Rupert Wingfield-Hayes visitou o Hospital Central Número Um de Tianjin, aparentando procurar um fígado para seu pai.

Representantes do hospital disseram ao repórter que um fígado poderia ser disponibilizado em três semanas.

Uma das autoridades afirmou que os prisioneiros eram voluntários para a doação de órgãos, colaborando, dessa forma, com um "presente à sociedade". E acrescentou que atualmente existe um excedente de órgãos devido a um aumento nas execuções, em antecipação ao feriado nacional chinês do dia 1° de outubro.

A China executa mais prisioneiros do que qualquer outro país no mundo. Em 2005 pelo menos 1770 pessoas foram executadas, apesar de o número verdadeiro poder ser bem maior, segundo um relatório da Anistia Internacional.

Direitos humanos

Em março, o Ministério do Exterior da China admitiu que órgãos de prisioneiros foram usados, mas afirmou que isto ocorreu em "apenas poucos casos".

O porta-voz do governo Qin Gang afirmou que os órgãos não foram retirados por imposição, e sim apenas com a permissão clara do condenado.

Mas não está totalmente claro se os prisioneiros são realmente livres para decidirem sozinhos a respeito da doação de seus órgãos pouco antes de sua execução.

Em abril de 2006, cirurgiões britânicos condenaram a prática, afirmando que era inaceitável e um desrespeito dos direitos humanos.

Mas, segundo o correspondente da BBC, o Hospital Central Número Um de Tianjin realizou 600 transplantes de fígado em 2005 e a indústria de transplante de órgãos se transformou em um grande negócio.

 
 
Especial
Leia notícias, reportagens e análises sobre a 'nova China'.
 
 
ChinaInglês no noticiário
Pratique o idioma lendo sobre o crescimento da China.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade