BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 05 de outubro, 2006 - 22h39 GMT (19h39 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Abuso de menor leva arcebispo ao banco dos réus na Espanha
 

 
 
O arcebispo de Madri, Jose Antonio Maria Rouco Varela, em passeata contra o casamento entre homossexuais
O arcebispo de Madri celebra missas para a família real espanhola
O Arcebispo de Madri – considerado a mais importante autoridade da Igreja Católica na Espanha – um padre e um bispo começaram nesta quarta-feira a ser julgados na capital espanhola em um caso relacionado a um crime sexual.

O padre Rafael Sanz, 73 anos, está sendo acusado de pedofilia. O arcebispo, o bispo e também seu principal auxiliar enfrentam a Justiça acusados de ter responsabilidade no caso.

É o Arcebispo de Madri, Antonio Maria Rouco Varela, quem celebra as missas na catedral, freqüentadas pela família real.

As acusações contra os religiosos foram feitas por uma organização chamada “Igreja sem Abusos”, que diz que Saez e seus superiores tentaram encobrir o crime e impedir a atuação da Justiça.

"Estivemos anos agüentando o silêncio e a passividade. Queremos mudar a forma como a cúpula da Igreja Católica enfrenta os abusos sexuais a menores cometidos por sacerdotes no mundo inteiro", disse Carlos Sánchez Mato, catequista convocado como testemunha de acusação.

Encontros

O crime de Saez, da paróquia de Santo Domingo de Guzmán, em Madri, teria sido cometido entre 1998 e 2001.

A vítima, um ex-coroinha que tinha 12 anos na época, acusa o sacerdote de tocar-lhe os genitais e de tentar estuprá-lo dentro da sacristia várias vezes.

O acusado tinha encontros freqüentes com a vítima, com o consentimento dos pais, para que o padre o ajudasse com os seus deveres de casa, especialmente por ele ter problemas de dislexia.

"É tudo mentira. Perante Deus e perante os homens!", disse o padre no tribunal. Rafael Sanz alegou que nunca tentou abusar do menor e se o levava à sacristia era para usar o computador que estava ali.

"Eu era como um avô para ele. Nunca nem pude ter usado uma palavra que possa ter sido mal interpretada", afirmou.

Prisão

A promotoria pede sete anos de prisão e uma indenização de cerca de R$ 90 mil para a família da vítima. E também punição civil para a cúpula da Igreja Católica espanhola por responsabilidade de encobrimento, conivência e criar obstáculos para a investigação.

Apesar deste pedido, se for considerada culpada, a Igreja só pode ser sancionada com multas e abertura de expediente de investigação judicial, de acordo com a legislação local.

As punições por crimes de abusos sexuais já ocorrem em outros países, mas é a primeira vez que a hierarquia católica é levada ao banco dos réus como responsável civil com ameaça de abertura de investigação, sendo indiciados diretamente os superiores do acusado.

O grupo "Igreja Sem Abusos" tentou chamar a atenção do papa Bento 16 na recente visita à Espanha. Não foi recebida e distribuiu panfletos condenando a atuação da cúpula espanhola em casos de crimes sexuais.

 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade