BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 06 de novembro, 2006 - 15h13 GMT (12h13 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
ONU inicia reunião no Quênia sobre mudança climática
 

 
 
Países terão que se adaptar à mudança no clima do planeta
As novas negociações da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre a mudança climática global começaram nesta segunda-feira em Nairóbi, no Quênia.

O principal assunto do encontro deve ser a ajuda para que países mais pobres se adaptem à mudança do clima.

Um relatório da ONU divulgado na véspera da reunião prevê impactos terríveis do clima em partes da África.

A produção das lavouras vai cair, segundo o relatório, enquanto o crescente nível dos mares pode invadir cidades.

Esta é a 12ª rodada de reuniões da ONU desde a Eco 92, no Rio de Janeiro. Dados divulgados na semana passada indicam que os níveis de emissões de gás que causam o efeito estufa continuam subindo.

A Organização Meteorológica Mundial (OMM) afirmou que as concentrações de dióxido de carbono aumentaram 0,5% durante 2005 e não vão começar a cair a não ser que um acordo mais forte do que o Protocolo de Kyoto seja criado.

Lavouras e enchentes

O vice-presidente do Quênia, Moody Awori, abriu a reunião em Nairóbi, a primeira realizada na África subsaariana.

"Estamos todos reunidos na manhã de hoje em nome da humanidade pois reconhecemos que a mudança climática está emergindo rapidamente como uma das ameaças mais sérias que a humanidade já enfrentou", disse Awori.

O novo relatório do Sistema da Convenção em Mudança Climática da ONU afirma que o problema é uma ameaça séria à África, e produz um convincente argumento ao provar porque é tão importante ajudar os países africanos a transformar suas sociedades, economias e infra-estrutura em "à prova de clima".

O relatório conclui que a produção de grandes lavouras como milho ou sorgo vai cair e grande parte de cidades africanas como Lagos, Dar es Salaam e Cidade do Cabo podem desaparecer devido ao crescente nível do mar.

"Também há grandes impactos em áreas mais elevadas como o Monte Quênia e o Monte Kilimanjaro, cujas geleiras e outras formações de gelo são importantes para o suprimento de água", disse Michel Jarraud, secretário-geral da OMM, que forneceu dados para o relatório.

Na semana passada, uma avaliação lançada pelo economista Nicholas Stern também alertou para o impacto desproporcional da mudança climática em países mais pobres.

Entre as medidas sugeridas para transformar países em "à prova do clima" estão a construção de defesas contra mares e rios; aumento da infra-estrutura de fornecimento de água para regiões de seca; criação de defesas naturais como árvores e mangues; desenvolvimento de novas variedades de lavouras resistentes a altas temperaturas e secas; e educação pública a respeito de assuntos como economia de água.

Restrições

O comissário da União Européia para meio ambiente, Stavros Dimas, afirmou recentemente que pode ser mais fácil adaptar os países pobres às mudanças climáticas do que tentar um novo acordo que diminua a emissão de gases que causam o efeito estufa, já que os atuais objetivos para os países ricos sob o Protocolo de Kyoto expiram em 2012.

"Discussões a respeito desta questão vital da ação global depois de 2012 vão continuar em Nairóbi. Este processo começou em maio e esperamos conseguir mais progresso nesta reunião. Mas é muito cedo para esperar um grande avanço", disse Dimas.

Oficialmente, os países da União Européia e o Japão buscam alvos restritos no longo prazo. E a Grã-Bretanha acabou de propor que a União Européia adote um objetivo de médio prazo de 30% de reduções até 2020.

Mas os Estados Unidos e Austrália, entre os países desenvolvidos, permanecem contra qualquer conversa a respeito de objetivos.

E não há possibilidade de um acordo incluindo nações desenvolvidas enquanto os dois países, que estão com os índices mais altos do mundo de poluição per capita, mantiverem suas posições.

 
 
Criança no NígerAquecimento
Relatório faz alerta sobre danos 'imensos'.
 
 
Gelo árticoClima
Ártico perdeu área do tamanho da Turquia em gelo.
 
 
incêndio florestalAlta temperatura
Aquecimento global aumenta risco de desastres ambientais
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade