BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 15 de novembro, 2006 - 11h50 GMT (09h50 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Proposta contra desmatamento do Brasil é 'voluntária'
 

 
 
Imagem de satélite mostra desmatamento na bacia amazônica
Brasil propõe fundo internacional para compensar reduções
A ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, espera que um “compromisso ético” seja suficiente para convencer os países ricos a doarem recursos para o mecanismo de incentivo à redução de desmatamento que o Brasil vai propor em Nairóbi.

A ministra concedeu uma entrevista exclusiva à BBC Brasil horas antes da apresentação oficial do plano à comunidade internacional, que deve acontecer no fim da tarde desta quarta-feira na Conferência da ONU sobre mudanças climáticas na capital do Quênia.

“Como o Brasil tem feito um esforço muito grande para diminuir o desmatamento e assim reduzir emissões, achamos que é correto que os países desenvolvidos possam aportar voluntariamente recursos para poder compensar positivamente aqueles que estão fazendo estas reduções, uma vez que elas beneficiam globalmente o interesse de todos”, disse a ministra.

“Ouvimos de muitos países a preocupação com a proteção de florestas tropicais. Se para os países desenvolvidos é muito difícil mudar a matriz energética, para os países em desenvolvimento é difícil mudar o modelo de desenvolvimento (para adotar um desenvolvimento sustentável)”, disse.

A ministra descarta veementemente a idéia de que o Brasil deveria estabelecer metas de redução do desmatamento – como cobram muitas ONGs, ambientalistas e governos estrangeiros - e afirma que o governo brasileiro já tem seus compromissos de redução do desmatamento estabelecidos internamente e que se esforça muito para alcançá-los.

Leia a seguir a entrevista concedida pela ministra à BBC Brasil:

A ministra Marina Silva (dir.) com o presidente Lula durante evento em outubro em Brasília
Ministra acredita em compromisso dos países ricos com o fundo

BBC Brasil - De onde viriam estes recursos (para o fundo internacional de compensação para a redução de emissões), como estes incentivos iriam chegar até os países em desenvolvimento?

Marina Silva - Trata-se de uma proposta que busca um incentivo positivo pela redução das emissões oriundas de desmatamento.

Como o Brasil tem feito um esforço muito grande para diminuir o desmatamento e assim reduzir emissões, achamos que é correto que os países desenvolvidos possam aportar voluntariamente recursos para poder compensar positivamente aqueles que estão fazendo estas reduções, uma vez que elas beneficiam globalmente o interesse de todos.

Nós entendemos que o que vai mobilizar pessoas para injetar recursos nesse mecanismo, nesse fundo, é exatamente o compromisso ético que as pessoas têm com a redução do CO₂ e em ajudar os países que são detentores de grandes florestas a preservá-las.

Ouvimos de muitos países a preocupação com a proteção de florestas tropicais. Agora, se para os países desenvolvidos é muito difícil mudar a matriz energética, para os países em desenvolvimento é difícil mudar o modelo de desenvolvimento.

BBC Brasil - Mas como seria esse mecanismo?

Marina Silva - Seria um fundo com caráter voluntário para o qual os países, ou mesmo outros setores aportariam recursos e todas as vezes que um país reduzir suas emissões, você acessa este crédito.

Toda vez que a partir de uma linha base (de referência do desmatamento) o país conseguir reduzir, ele acessa este fundo.

BBC Brasil - Em um mundo com tantas demandas de recursos internacionais, não só para meio ambiente, mas para diversos temas como, por exemplo, a reconstrução do Iraque, o compromisso ético é suficiente para convencer os países desenvolvidos a participarem deste fundo?

Marina Silva - Na verdade é um compromisso ético, mas tem um caráter prático também.

As emissões afetam a todos, globalmente, e as reduções beneficiam a todos, de sorte que hoje os países que são ricos, que têm compromissos, precisam mudar a matriz energética.

E eles chegaram ao ponto em que chegaram usando as florestas, destruindo biodiversidade, fazendo as emissões que fizeram.

E os países em desenvolvimento, para evitar fazer aquilo que os ricos já fizeram, vão ter que mudar o modelo de desenvolvimento. Achamos sim que isso é um incentivo para que os países ricos aportem recursos para este mecanismo.

No que concerne aos outros aspectos, de pobreza, de doença, em última instância é o compromisso ético que também mobiliza as pessoas.

Os problemas que estão afetando o planeta estão indo em todas as direções.

Muitos fazem discursos e agora estamos dando a possibilidade de traduzir o discurso em ação prática, em ação concreta.

Muitas pessoas nos cobram que tenhamos respostas efetivas para os problemas das florestas tropicais, e o Brasil está não apenas apresentando o mecanismo, mas está apresentando porque está reduzindo o desmatamento e as emissões.

BBC Brasil - Uma crítica internacional ao plano é que o mecanismo prevê incentivos para quem reduzir emissões por desmatamento, mas não prevê punições para quem desmatar mais, não estabelece nenhum tipo de meta para os países florestais. Por que o governo brasileiro resiste tão fortemente a qualquer meta de redução de desmatamento?

Marina Silva - Em primeiro lugar, o Brasil é beneficiário do princípio da responsabilidade comum, mas diferenciada.

Historicamente os países ricos é que são responsáveis pelas maiores taxas de emissão.

Se os países em desenvolvimento já estão fazendo seu dever de casa a partir de compromissos internos, não vejo por que sermos comparados àqueles que já emitiram e causaram danos.

Nós estamos tentando evitar que aconteça para os países em desenvolvimento o que já aconteceu há 100 ou 150 anos com os desenvolvidos.

BBC Brasil - Mas independentemente de qualquer compromisso ou negociação internacional, estabelecer uma meta de redução do desmatamento e conseguir cumpri-la não é um interesse nosso, brasileiro?

Marina Silva - O Brasil tem esse interesse e esse compromisso.

Nós somos um dos únicos países a ter um plano de combate ao desmatamento que está sendo implementado há dois anos, temos perseguido a implementação deste plano e conseguimos uma redução de 52% no desmatamento nos últimos dois anos.

O Brasil tem compromissos internos, nós queremos acabar com o desmatamento ilegal e estamos buscando meios e alternativas para mesmo naquilo que a lei permite o uso das florestas, isso seja feito de maneira sustentável.

Nós estamos combinando os esforços de comando e controle em diversas frentes.
Temos um plano de desenvolvimento sustentável e um programa ousado de criação de unidades de conservação.

O Brasil criou nos últimos três anos cerca de 20 milhões de hectares de unidades de conservação.

Isso é mais do que falar de compromisso. Isso é realizar na prática o compromisso.

 
 
Toras de madeira aguardando transporteEntrevista
Ministra Marina Silva explica proposta brasileira.
Veja
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Europeus vão boicotar soja 'desmatada'
24 julho, 2006 | BBC Report
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade