BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 23 de novembro, 2006 - 10h22 GMT (08h22 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Entenda a crise no Líbano
 

 
 
Bandeiras do Líbano
Líbano tem 18 grupos religiosos reconhecidos oficialmente
O Líbano é o país mais complexo politicamente e mais dividido religiosamente no Oriente Médio, o que faz dele um fator tão explosivo em uma região já instável.

O pequeno Líbano desconcerta as pessoas de fora. Até mesmo as pessoas no Oriente Médio consideram sua política confusa.

Estabelecido pela França após a Primeira Guerra Mundial como um Estado predominantemente cristão, o Líbano agora é cerca de 60% muçulmano e 40% cristão.

O país tem 18 grupos religiosos reconhecidos oficialmente, e a divisão de poder entre eles sempre foi um jogo complicado.

Os muçulmanos libaneses tendem a olhar para o Oriente em busca de apoio de parte de outros Estados árabes e do Irã. Os cristãos tendem a olhar para o Ocidente, para a Europa e os Estados Unidos.

A proximidade do país de Israel – e a presença de um grande número de refugiados palestinos em seu território – significa que ele também está intimamente ligado à disputa árabe-israelense.

O Líbano já tem problemas próprios suficientes, mas também se tornou palco de muitos dos conflitos e rivalidades regionais.

Influência síria

O longo conflito que destruiu o país de 1975 a 1990 foi tanto uma guerra civil quanto uma guerra regional.

Ele deixou o Líbano fortemente sob o controle da Síria e com uma faixa ao sul de seu território ocupada por Israel como uma zona de proteção.

Israel interveio repetidamente no Líbano para proteger sua fronteira norte.

A guerra civil também trouxe o Irã para combater Israel e apoiar os xiitas libaneses.

Em 1982 o Irã criou o Hezbollah, ou Partido de Deus, que evoluiu para se tornar uma peça importante da política libanesa e um importante aliado do Irã e da Síria.

As tropas israelenses se retiraram finalmente em 2000, e os sírios saíram em 2005.

Mas, enquanto a Síria não tem mais uma presença militar no país, ela manteve sua influência política por meio de seus laços com o Hezbollah.

Ofensiva israelense

Bombardeio israelense no Líbano
Ofensiva israelense em julho provocou mortes e destruição
Foi diante desse quadro de conflito e polarização que a guerra na fronteira entre o Líbano e Israel se desenrolou em julho.

A captura de dois soldados israelenses pelo Hezbollah provocou um mês de ataques israelenses.

As áreas nas quais o movimento xiita tem mais apoio – o sul do Líbano e os subúrbios ao sul de Beirute – sentiram o peso da ofensiva israelense.

Os ataques provocaram mortes em larga escala e destruição, mas não conseguiram assegurar a libertação dos soldados ou a derrota do Hezbollah.

O Hezbollah afirmou ter conseguido uma “vitória divina”.

Após a guerra, o país começou a tarefa de reconstrução física, mas ainda está atormentado por suas antigas divisões.

Balança de poder

O governo está fortemente dividido em facções anti-Síria e pró-Síria.

O primeiro grupo é uma frágil aliança entre sunitas, cristãos e drusos (grupo religioso originário do islamismo) e tem o apoio dos Estados Unidos.

O segundo é essencialmente um agrupamento de xiitas dominado pelo Hezbollah, com o apoio da Síria e do Irã.

Simbolizando esta polarização está o fato de que o presidente é pró-Síria, e o primeiro-ministro, anti-Síria.

Duas coisas ajudaram a aumentar a temperatura até o ponto de ebulição.

Uma é a ameaça do Hezbollah de levar seus simpatizantes às ruas se não houver uma mudança de gabinete que dê ao grupo poder de veto sobre as decisões do governo.

A outra é a série de assassinatos de políticos anti-Síria, da qual a morte do ministro Pierre Gemayel é o último caso.

Raramente a situação do Líbano pareceu mais frágil do que agora.

O resultado da crise influenciará não somente o destino desse pequeno país, mas a balança de poder em todo o Oriente Médio.

 
 
Pierre Gemayal, ministro da indústria libanêsLíbano
Ministro morto era parte de dinastia política cristã.
 
 
Partidários de Pierre Gemayel em BeiruteTensão e medo
Assassinato transforma Beirute em cidade fantasma.
 
 
O líder do grupo militante islâmico Hezbollah, Hassan NasrallahConflito no Líbano
Hezbollah confirma negociação com Israel.
 
 
George W. Bush em Saigon, em novembroCaio Blinder
Confluência de crises no Oriente Médio desafia governo Bush.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Multidão acompanha funeral no Líbano
22 de novembro, 2006 | Notícias
Governo do Líbano aprova tribunal internacional
13 de novembro, 2006 | Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade