BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 06 de dezembro, 2006 - 00h15 GMT (22h15 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Estudo diz que 2% das pessoas possuem metade da riqueza mundial
 

 
 
Carro luxuoso
Europa, América do Norte e região do Pacífico são áreas mais ricas
Os 2% mais ricos do mundo possuem mais de metade da riqueza, de acordo com um estudo divulgado nesta terça-feira por um instituto ligado às Nações Unidas.

O documento do Instituto Mundial de Pesquisa de Desenvolvimento Econômico, ligado à Universidade da ONU, afirma que a metade mais pobre do mundo detém 1% da riqueza global.

Segundo os autores do estudo, esta é a pesquisa mais ampla já feita sobre o assunto. Ela trata de todos os países do mundo, utilizando dados completos ou estimativas baseadas em análise estatística.

Além disso, o estudo abordou os dados sob a ótica da riqueza, e não da renda. O conceito de riqueza é a soma de todos os bens menos as dívidas. Entre os bens contabilizados estão terras, imóveis, animais e ativos financeiros.

O estudo descobriu que a desigualdade de riquezas é maior que as diferenças de renda anual.

Concentração

A análise mostra o tamanho das diferenças de riquezas entre os países. Cerca de 90% da riqueza mundial está concentrada na América do Norte, na Europa e em algumas nações da região do Pacífico, como Japão e Austrália.

A pesquisa também revelou mudanças no tipo de riqueza acumulada em cada região do mundo. Em países menos desenvolvidos, terras e ativos financeiros do setor agrícola têm maior participação na riqueza das pessoas, refletindo o peso da agricultura nessas economias.

A pesquisa também revelou que nesses países as instituições financeiras são menos “maduras”, o que dificulta a formação de poupança.

Em contraste, os cidadãos de alguns dos países mais ricos têm dívidas maiores do que ativos, o que os coloca entre as pessoas mais pobres do mundo, em termos de riqueza doméstica.

No entanto, pode-se dizer que eles têm hábitos de consumo melhores do que a maior parte das pessoas dos países em desenvolvimento.

A pesquisa é baseada em números referentes ao ano de 2000. Os autores disseram que um estudo com dados mais recentes teria menos informações precisas. Mesmo assim, muitos números, sobretudo sobre os países em desenvolvimento, tiveram de ser estimados.

De acordo com o professor Anthony Shorrocks, um dos autores da pesquisa, o relatório chama atenção dos países em desenvolvimento para que melhorem seus sistemas bancários.

 
 
Felicidade
Mesmo mais ricos, britânicos são menos felizes que nos anos 50.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade