BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 19 de fevereiro, 2007 - 11h52 GMT (09h52 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Pó de algas e cocô de galinha 'pode combater seca'
 
Deserto do Saara
Pó permitiria plantar em áreas hoje desérticas
Um pó feito de produtos como algas marinhas e fezes de galinha pode ser a solução para a falta de água no mundo, segundo afirmaram cientistas que participam do encontro anual da Associação Americana para o Avanço da Ciência, em São Francisco.

O pó, chamado de bio-membrana, atua como uma esponja no solo, absorvendo água e ajudando as plantas a crescer em condições áridas.

Pesquisadores do clima dizem que a falta de água deverá ser uma das conseqüências do aquecimento global que a humanidade não terá como evitar.

Esta escassez terá um impacto negativo na produção internacional de alimentos em um período no qual a população mundial deverá crescer 5%.

Durante a reunião em São Francisco foram mostrados os detalhes sobre o pó feito de resíduos orgânicos e que pode mudar a forma como a água é usada na agricultura.

Quando o pó é misturado ao solo, ele retém água da chuva na terra, ajudando as plantas a crescer em áreas extremamente áridas, como os desertos.

Testes na Nigéria

O pó já está sendo testado na Nigéria e se mostrou um sucesso no cultivo de milho com pouca quantidade de água.

Para Thorlief Bilstad, da Universidade Stavanger, na Noruega, que examinou o sistema, ele poderá fazer uma grande diferença para os países em desenvolvimento.

“Se você perde 70% com a evaporação isso é obviamente um problema. Com esta bio-membrana, consegue-se reter água e atrasar a evaporação, então você precisa de menos água para o mesmo número de plantas”, diz ele.

“Ou então você pode aumentar a área de cultivo e produzir mais plantas para a mesma quantidade de água, que antes era desperdiçada”, afirma.

Pesquisadores dizem ainda que o produto poderá ajudar a reduzir o aquecimento global ao ajudar no cultivo de plantas em áreas que hoje são desérticas.

 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Seca e fome ameaçam 3,5 milhões no Quênia
05 de março, 2006 | Notícias
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade