BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 11 de maio, 2007 - 08h52 GMT (05h52 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Aspirina pode prevenir câncer intestinal, diz estudo
 
Aspirina pode ser benéfica para pacientes sob risco
A ingestão diária de aspirina pode prevenir o câncer de intestino, segundo uma pesquisa da Universidade de Oxford, na Grã-Bretanha.

Segundo os autores do estudo, publicado na revista médica The Lancet, uma dose de 300 mg por dia, durante cinco anos, se mostrou suficiente para reduzir o risco da doença em 74% nos dez a 15 anos subseqüentes.

O uso prolongado da aspirina geralmente não é recomendado por causa do risco de problemas estomacais, mas os cientistas defendem que o medicamento pode ajudar as pessoas com alto risco de desenvolver o câncer de instestino.

"Indivíduos que tiveram alguém na família com a doença não vão ser prejudicados se tomarem aspirina", disse Peter Rothwell, o chefe da equipe de pesquisadores. "Eles podem até apresentar sangramento estomacal, mas vão se beneficiar mais com a redução do risco de câncer."

Voluntários

Os cientistas analisaram os resultados de dois grandes testes realizados na Grã-Bretanha, entre os anos 70 e 80.

Esses testes envolveram mais de 7,5 mil voluntários, que receberam diferentes doses diárias de aspirina ou um placebo durante cinco a sete anos.

Os voluntários foram então acompanhados por até 20 anos, e as mortes por câncer intestinal também eram registradas.

Segundo a equipe de Oxford, são necessários pelo menos dez anos para observar o efeito da aspirina, pois este é o tempo que leva para que formações pré-cancerígenas se desenvolvam em câncer.

Os pesquisadores descobriram ainda que o efeito protetor da aspirina é consistente, independentemente da idade, do sexo ou da origem étnica do paciente.

Recomendação

A cada ano, cerca de 35 mil pessoas são diagnosticadas com a doença na Grã-Bretanha, e outras 16 mil morrem em decorrência dela.

Por isso, entidades que trabalham na luta contra o câncer elogiaram a pesquisa da Universidade de Oxford.

"Este estudo é muito interessante e confirma o que já se sabe sobre a relação entre a aspirina e o desenvolvimento de pólipos e câncer no intestino", disse Rob Glynne-Jones, médico-conselheiro da Bowel Cancer UK.

"Mas estas descobertas não significam que qualquer pessoa deve começar a tomar aspirina nesta quantidade, pois temos que levar em conta os riscos de efeitos colaterais", alertou.

 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Aspirina pode reduzir risco de asma, diz pesquisa
15 de janeiro, 2007 | Ciência & Saúde
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade