BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 13 de julho, 2007 - 11h06 GMT (08h06 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Brasil deve aceitar reunião com Bolívia sobre hidrelétricas
 

 
 
Cachoeira do Teotônio, no rio Madeira, que será submersa pelas usinas (Foto: Wilson Dias/ABr)
Cachoeira do Teotônio, que será submersa (Foto: Wilson Dias/ABr)
O governo do Brasil deverá aceitar a reunião solicitada pelo governo boliviano para discutir a construção das duas hidrelétricas no rio Madeira, disse à BBC Brasil um diplomata que acompanha o assunto em Brasília.

"A orientação é: o dia que a Bolívia quiser, terá a reunião com o Brasil", afirmou o diplomata.

Segundo ele, a determinação partiu do próprio ministro Celso Amorim.

No eventual encontro, os representantes brasileiros deverão reafirmar a posição brasileira de que as obras não afetarão o país vizinho e que não há necessidade de estudos ambientais na Bolívia.

Impacto ambiental

A reunião com o Brasil foi pedida pelo ministro das Relações Exteriores da Bolívia, David Choquehuanca.

Durante uma entrevista coletiva em La Paz na quarta-feira, Choquehuanca disse que espera que o Brasil realize estudos sobre o impacto ambiental destas hidrelétricas no território boliviano.

"O Brasil só fez este estudo do lado brasileiro", queixou-se.

Numa carta que enviou ao ministro brasileiro das Relações Exteriores, Celso Amorim, o chanceler boliviano se diz "contrariado" com a decisão brasileira.

O governo brasileiro tem argumentado que o estudo de impacto ambiental na Bolívia é desnecessário porque as usinas ficarão em um trecho do rio muito abaixo da fronteira com a Bolívia.

A hidrelétrica de Jirau deverá ser construída a cerca de 80 quilômetros da fronteira, e a de Santo Antonio, a aproximadamente 300 quilômetros – mais próxima de Porto Velho do que da Bolívia.

O argumento, porém, não tem convencido as autoridades bolivainas.

Numa reunião realizada este ano no Rio de Janeiro, técnicos brasileiros utilizaram uma maquete para explicar às autoridades bolivianas porque entendiam que a Bolívia não tem razão para se preocupar.

Dúvidas

Na ocasião, eles destacaram as distâncias das hidrelétricas para o território boliviano.

Mas as satisfações não convenceram os bolivianos, que passaram a ter "ainda mais dúvidas", como afirmou um assessor de Morales, depois dos "vários meses" que o Ibama levou para aprovar as licenças prévias.

Nesta quinta-feira, diferentes organizações não-governamentais da Bolívia criticaram a decisão do Ibama.

As ONGs Fórum Boliviano do Meio Ambiente (Fobomade) e a Liga da Defesa do Meio Ambiente (Lidema) rejeitaram a instalação das duas usinas na região.

A representante da Fobomade, Patrícia Molina, defendeu que a Bolívia inicie uma "batalha legal" nos tribunais internacionais para impedir as construções no Brasil.

Já a Lidema afirmou, em comunicado: "Estamos conscientes de que as hidrelétricas poderão gerar inundações de bosques, terras usadas pelas pessoas do campo e afetar os peixes, que são a base do sustento das comunidades locais".

A ONG ressalva ainda que os estudos de impacto ambiental, realizados por Furnas e Odebrecht, foram feitos em anos de seca – 2002, 2003, 2004.

E argumenta que os levantamentos não consideraram o período de enchentes como o que ocorreu este ano.

 
 
ItaipuAmbiente
Entenda a polêmica sobre as hidrelétricas no rio Madeira.
 
 
ItaipuHidrelétricas
'Tem que rezar' para evitar apagão antes de 2012, diz analista.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade