BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 19 de julho, 2007 - 12h02 GMT (09h02 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Aborto mata 68 mil mulheres por ano, diz Banco Mundial
 
mulher africana com criança
Países africanos registraram maiores índices de fertilidade
Um relatório divulgado pelo Banco Mundial nesta quinta-feira estima que 46 milhões de abortos são realizados no mundo todos os anos, resultando em 68 mil mortes.

O estudo, intitulado "Questões sobre População no Século 21: O papel do Banco Mundial", estima que entre os 46 milhões de abortos anuais, 20 milhões são feitos fora das medidas de segurança e higiene.

Ainda segundo o Banco Mundial, 210 milhões de mulheres engravidam todos os anos, e destas, 500 mil morrem durante a gravidez ou no parto.

O estudo estima que uma em cada cinco mulheres recorre ao aborto por falta de acesso a métodos contraceptivos e 5,3 milhões sofrem seqüelas temporárias ou permanentes.

O Banco Mundial compilou dados recolhidos de vários países divididos em três grupos: de alta, média e baixa fertilidade. No primeiro estão 35 países com altas taxas de fertilidade, em sua maioria da África Subsaariana. Apenas quatro estavam fora da região: Afeganistão, Iêmen, Timor Leste e Djibuti.

O segundo grupo reúne países do Oriente Médio, Norte da África, leste e sul asiático, sul da África, América Latina e Caribe, classificados como de média fertilidade.

O Brasil vem no terceiro grupo, que inclui países de baixa e média renda que registraram baixa em seus índices de fertilidade entre 1985 e 2005, além dos países do primeiro mundo.

Uma das tabelas do relatório mostra que a taxa de fertilidade no Brasil diminuiu de 3,1 para 2,3 neste período. Na mesma linha de comparação com o país estão Sri Lanka, Vietnã e Tunísia.

Adolescentes grávidas

O número de nascimento entre adolescentes de 15 a 19 anos no Brasil é de 89 para cada 1.000 mulheres, uma taxa considerada alta se comparada com outros países em desenvolvimento como a China, onde a taxa é de cinco nascimentos e na Rússia, 29.

O índice brasileiro aproxima-se aos de alguns países africanos como o Quênia e a Etiópia, e de latino-americanos, como Equador e República Dominicana.

O Banco Mundial acredita que o fato de as taxas de fertilidade terem diminuído em países de baixa e média renda fora da África, como o Brasil, fez com que “as prioridades dos países doadores e agências de desenvolvimento fossem desviadas para outras questões, diminuindo atenções para as conseqüências provocadas pelas altas taxas de fertilidade”.

A instituição defende que os programas de saúde devem incluir "um intenso planejamento familiar" como forma de diminuir mortalidade infantil, que geralmente é relacionada ao declínio nas taxas de fertilidade.

 
 
Papa Bento 16 e bispos em AparecidaAmérica Latina
Bispos pedem combate a aborto, terrorismo e drogas.
 
 
Estudo
'Uma em cada cinco gestações termina em aborto na UE'
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade