BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 04 de setembro, 2007 - 14h03 GMT (11h03 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Jobim quer discutir uso do Exército contra o crime
 

 
 
Nelson Jobim, foto: Marcello Casal Jr/ABr
O ministro Nelson Jobim visitou instalações militares onde se distribui comida à população
O ministro da Defesa, Nelson Jobim, admitiu no Haiti "patrocinar, oportunamente" a discussão sobre a possibilidade de uso das Forças Armadas no combate ao crime.

''O problema básico é o estatuto jurídico. São completamente diferentes. Aqui vigora o estatuto jurídico da Organização das Nações Unidas. No Brasil, não existe isso. Para se pensar em algo similar no Brasil, você precisa de um regime de extração do estatuto jurídico e isso tem que ser examinado'', afirmou.

Indagado se o governo patrocinaria uma discussão sobre o tema, Jobim acrescentou: ''Vou patrocinar, oportunamente''.

O ministro afirmou que as forças de paz brasileiras no país caribenho contam com ''um tipo de especialização que está bem desenvolvido'' e que a experiência das tropas do Brasil na pacificação de áreas de conflito no Haiti ''oferece um know-how importante, e é preciso examinar se sua aplicação é compatível''.

Os comentários de Jobim foram feitos em Porto Príncipe, na capital haitiana, onde ele está acompanhando a atuação das forças de paz brasileiras, que lideram a Missão de Establização da ONU no Haiti (Minustah).

Mas o ministro acrescentou que o que diferencia as operações de pacificação no país caribenho e o combate ao crime em favelas como as do Rio de Janeiro não é uma maior ou menor especialização das forças que atuam no Haiti e no Brasil, mas sim que leis completamente distintas incidem sobre cada um destes contextos.

Denúncia

O ministro também respondeu às críticas incluídas no relatório do conselheiro da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) no Rio de Janeiro Aderson Bussinger.

O representante da OAB disse à BBC Brasil que as tropas do Brasil no Haiti são "é uma força de ocupação, e não humanitária, que está validando os abusos de direitos humanos no país caribenho e contribuindo para um estado de permanente repressão".

Segundo Jobim, os comentários ''mostram total desconhecimento do assunto. É o voluntarismo típico da necessidade de fazer oposição.''

De acordo com o ministro, ''basta circular'' pelo Haiti para ver que as críticas do advogado não têm sentido. ''Vocês estão verificando o tipo de ação que estamos fazendo'', afirmou aos jornalistas. E acrescentou que os comentários ''não têm compromisso com resultados, mas têm compromisso com um discurso''.

Em relação à recomendação de Bussinger no relatório que será entregue ao Conselho Federal da OAB nesta semana de que o governo brasileiro retire suas tropas do Haiti, Jobim concluiu:

''Isso significa: 'vamos embora e deixamos tudo como está'. Não tem sentido''.

 
 
Soldado brasileiro no HaitiMissão no Haiti
Tropas do Brasil 'validam abusos', diz enviado da OAB.
 
 
Soldado brasileiro no HaitiMissão da ONU
Força no Haiti não é de ocupação, diz comandante.
 
 
Soldado brasileiro no HaitiHaiti
Ministros de Defesa da América Latina discutem missão.
 
 
Foto de Luisa Alcalá Del OlmoSão Paulo
Exposição mostra vodu do Haiti.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade