BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 12 de setembro, 2007 - 10h01 GMT (07h01 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Anticoncepcional pode diminuir risco de câncer, diz estudo
 
Pílula anticoncepcional
Uso prolongado pode aumentar risco
O uso da pílula anticoncepcional pode diminuir o risco de câncer, segundo um estudo da Universidade de Aberdeen publicado pela revista especializada British Medical Journal.

Os pesquisadores analisaram dados de 46 mil pacientes colhidos durante 36 anos por clínicos gerais. Os dados eram atualizados a cada seis meses, mesmo quando elas mudavam de médico.

Os pesquisadores concluíram que o risco de desenvolver câncer era 12% mais baixo entre as mulheres que tomaram pílula - a redução do risco de câncer do intestino grosso, uterino ou de ovário é estatisticamente significativo.

Mas o estudo liderado pelo professor Phillip Hannaford conclui que o uso do contraceptivo por mais de oito anos está associado a um aumento do risco de desenvolver câncer.

Uso prolongado

Os dados sugerem que o efeito protetor da pílula dura por até 15 anos depois que a paciente pára de tomá-la - geralmente o período em que a mulher se torna mais suscetível ao desenvolvimento de câncer.

As mulheres que usaram a pílula por mais de oito anos, no entanto - menos de um quarto das mulheres que usaram a pílula e participaram do estudo - apresentaram um risco significativamente maior de desenvolver câncer, em particular o câncer cervical e do sistema nervoso central.

Mas as mesmas mulheres apresentaram risco reduzido de desenvolver câncer de ovário.

Segundo os pesquisadores, a conclusão do estudo deve tranqüilizar muitas mulheres, especialmente as que usaram a primeira geração de contraceptivos orais.

Eles aceitam que a fórmula diferente das pílulas modernas e a diferença de padrão de uso - com mulheres começando a tomar a pílula mais cedo e por mais tempo - podem modificar o risco de desenvolver câncer.

Mas eles argumentam que os resultados de outros estudos indicam que as pílulas atuais produzem efeitos semelhantes.

Segundo o professor Hannaford, ainda é "pouco comum" que as mulheres tomem pílula anticoncepcional seguidamente por oito anos, já que a tendência é tomar e parar, dependendo das circunstâncias de cada uma.

"Eu não recomendaria a ninguém tomar a pílula especificamente para diminuir o risco de câncer, mas se elas decidirem tomá-la, elas não vão aumentar esse risco", disse ele.

Julie Sharp, da organização Cancer Research UK, afirma que "é importante que as mulheres estejam cientes dos riscos de tomar a pílula a curto prazo, como um aumento no risco do câncer de mama e cervical, mas esta pesquisa sugere que esses riscos podem ser contrabalançados pelos benefícios à saúde a longo prazo."

O aumento do risco de câncer cervical e de mama relacionado à pílula parece ser cancelado pela proteção a longo prazo contra outros tipos da doença.

Estima-se que 100 milhões de mulheres usam a pílula no mundo, e acredita-se que mais de 300 milhões tomaram o contraceptivo desde seu lançamento, em 1961.

 
 
CoraçãoDengue
Aumento de casos da doença preocupa cardiologistas.
 
 
Sorrisos amareladosMau hálito
Chile lança nova campanha contra o fumo.
 
 
Comidas com aditivosSaúde
Corantes 'podem causar hiperatividade em crianças'.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade