BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 16 de outubro, 2007 - 01h28 GMT (22h28 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Artigo sobre controle da informação gera polêmica entre chavistas
 

 
 
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez
Reforma proposta por Chávez tem sido criticada pela oposição
O texto final do projeto de reforma constitucional proposto pelo presidente da Venezuela, Hugo Chávez, foi apresentado nesta segunda-feira com mais uma dose de polêmica, desta vez acrescentada pelo parlamentares venezuelanos.

Entre o conjunto de artigos que poderão ser reformados na Constituição, a Assembléia Nacional propõe que o acesso à informação seja limitado caso seja declarado um “estado de exceção”, como por exemplo, um golpe de Estado. A proposta gerou polêmica inclusive entre os deputados da base chavista.

“Em momentos em que os mecanismos normais não são suficientes para estabelecer a ordem, como no caso de uma invasão ou golpe de Estado (...) nós, como defensores dos direitos humanos, poderemos limitar a informação para garantir esses direitos”, explicou a presidente da Assembléia Nacional, Cília Flores.

Além dos 33 artigos propostos pelo mandatário venezuelano, os deputados acrescentaram mais 25 artigos, entre os quais está o que limitaria a informação em casos excepcionais.

Imediatamente após o termino da leitura do polêmico artigo, um pequeno grupo de estudantes de oposição iniciaram uma manifestação contra a proposta.

Com a reforma “nossos direitos serão violados”, argumentou um dos estudantes.

Golpe de Estado

Mas desta vez a polêmica não se limita à polarização entre chavistas e oposição. O deputado e ex-magistrado da Corte Suprema de Justiça, Carlos Escarrá, se absteve durante a votação do artigo 337.

“Não se pode limitar o direito à informação que é um direito de todos os cidadãos. Talvez o que se poderia fazer é tomar medidas para que os donos dos meios de comunicação não cometam abusos que agravem a situação que motiva um estado de exceção”, afirmou o deputado no domingo.

Os que defendem e os que discordam com o artigo 337 utilizam o golpe de Estado de 11 de abril para justificar sua posição.

“Se em 2002 pudéssemos ter suspendido esses direitos, a situação haveria sido diferente”, afirmou Roberto Hernandez, vice-presidente da Assembléia Nacional, ao jornal El Nacional.

Durante o golpe de 11 de abril, os meios de comunicação venezuelanos divulgaram que o presidente havia renunciado à Presidência da República, omitindo a informação de que Chávez havia sofrido um golpe.

“Precisamente o golpe de 11 de abril evidencia a necessidade de que a informação flua sem limitações. Recordemos que, naquela oportunidade, os meios de comunicação pretendiam manter silêncio (sobre o fato de) que o cordão constitucional estava quebrado”, argumentou Vladimir Villegas, vice-ministro de Relações Exteriores e deputado constituinte em 1999.

A polêmica ainda não está resolvida, mas as vozes discordantes são minoria. Na terça-feira começa o último debate sobre o texto da reforma. A tendência é que todas as modificações acrescentadas pelos parlamentares sejam aprovadas, assim como os 33 artigos propostos por Chávez.

“Vamos conversar com nossa base, outros membros do partido e a partir de amanhã vamos definir uma posição”, disse à BBC Brasil o deputado José Albornoz, do partido Pátria Para Todos (PPT). Albornoz também se absteve na votação do artigo 337.

Outra modificação proposta pelo movimento estudantil e que foi acatada pelos parlamentares é a redução da idade para votar de 18 para 16 anos.

Se aprovado o projeto, a nova Carta Magna deverá ser ratificada em um referendo que deverá ser realizado em 2 de dezembro.

Reeleição contínua

Para os grupos opositores o ponto mais polêmico da proposta de reforma é o artigo que permite o fim do limite para reeleição à Presidência da República.

Pela lei atual, o presidente pode ser reeleito somente uma vez, com um período de seis anos para cada mandato. A modificação abriria caminho para que Chávez se apresente à reeleição sem limite de candidaturas.

A reforma também propõe a redução da jornada de trabalho de oito para seis horas diárias, com um limite de 36 horas semanais.

De acordo com o Instituto Venezuelano de Análises de Dados, 47,3% da população aprova a reforma constitucional.

 
 
Chávez exibe o CD (Foto: Miraflores)Presidente sonoro
Chávez apresenta CD em que se arrisca como cantor.
 
 
LulaEUA x Venezuela
Mídia explora briga entre Bush e Chávez, diz Lula a TV dos EUA.
 
 
O presidente da Venezuela, Hugo ChávezChávez
Imprensa é 'arma' para afastá-lo de Lula, diz presidente.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Chávez ameaça fechar escolas particulares
18 setembro, 2007 | BBC Report
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade