BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 26 de outubro, 2007 - 15h42 GMT (13h42 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Vaticano beatificará religiosos espanhóis que apoiaram Franco
 

 
 
Republicanos fazem barricadas em Toledo
Republicanos em suas barricadas defendiam a cidade de Alcázar, em Toledo, das tropas de Franco
No próximo domingo, o Vaticano fará a maior cerimônia de beatificação coletiva da história do Catolicismo.

Serão beatificados 498 religiosos espanhóis mortos durante a Guerra Civil (1936-1939) e que apoiaram o ditador Francisco Franco. Para a Igreja Católica espanhola, são os mártires do século 20. Para os republicanos, uma polêmica.

Muitas igrejas espanholas foram atacadas e algumas incendiadas pelos republicanos, durante a Guerra Civil.

A frase repetida pelo ditador fascista "Por Deus e pela Espanha" e o apoio direto do clero ao golpe militar provocaram um ambiente anti-religioso para os que lutavam contra Franco.

Atualmente na maioria das igrejas, inclusive próximo ao altar, permanecem as placas de mármore com nomes de religiosos mortos e descrições como: "morreu pela Espanha, mártir contra o marxismo e por Franco com a graça de Deus".

Perseguição

"Estamos falando da maior perseguição religiosa do século. É necessário assumir a história como aconteceu. E com todas as responsabilidades. Na Igreja há e houve pessoas coerentes que assumiram sua postura e fé até as últimas conseqüências", disse o arcebispo de Sevilha, Carlos Amigo, que anunciou a beatificação em entrevista coletiva.

Estrangeiros chegando à Barcelona para lutar pelos republicanos
Estrangeiros chegando à Barcelona para lutar pelos republicanos

Para a esquerda espanhola, a cerimônia é uma polêmica que reabre velhas feridas.

O líder do Partido Esquerda Unida, Gaspar Llamazares, disse que respeita a memória da Igreja Católica, mas pediu ao Vaticano "que lamente e peça perdão pelo papel negativo que ocupou, dando aval ao franquismo e a repressão".

Para o deputado do Partido Basco, Manuel Millán, a decisão do Vaticano é "imoral e injusta", porque, segundo ele, só enaltece os caídos de um dos lados da guerra e também porque não há precedentes históricos com outros ditadores.

"Quantas ruas na Itália existem dedicadas a Mussolini e quantas estátuas de Hitler permanecem em pé na Alemanha? Quantos religiosos que apoiaram estes regimes foram beatificados? Os papas anteriores se negaram a isto. Porque aqui na Espanha nunca houve reconhecimento e reconciliação", afirmou.

Resposta

Alguns deputados acreditam ainda que a decisão seja uma resposta a medidas políticas do governo espanhol que desagradaram ao clero, como a lei de casamentos entre pessoas do mesmo sexo ou a Lei da Memória Histórica, que deve ser votada em breve.

Guernica, retratada por Picasso, ficou destruída
Guernica, retratada por Picasso, ficou destruída

Esta nova lei condena a ditadura franquista e oferecerá ajuda a todos os parentes das vítimas.

Mas a Igreja nega o confronto político. "Não é uma represália, nem resposta. Apenas coincidiram as datas", disse o porta-voz da Conferência Episcopal Espanhola, Juan Antonio Martírez Camino.

O teólogo espanhol Juan José Tamayo chamou a beatificação de "involução da Igreja". E afirmou que "é muito delicado qualificar como mártires a pessoas que tiveram implicações políticas".

Além dos 498 novos beatos, a Igreja Católica espanhola tem outros 836 casos em trâmite avançado no Vaticano. São no total mais de 2 mil pedidos de reconhecimento para o que o Arcebispado de Madri chama de mártires da guerra que morreram pela nação.

O governo espanhol estará representado na cerimônia de domingo pelo Ministro de Relações Exteriores, Miguel Ángel Moratinos.

O primeiro-ministro Rodríguez Zapatero recusou o convite do Vaticano. O avô dele, o capitão Lozano, também morreu na Guerra Civil. Foi um dos militares que se negaram a apoiar o golpe militar e terminaram fuzilados.

As estimativas indicam a morte de cerca de 500 mil pessoas durante o conflito e 450 mil exilados. O ditador fascista Francisco Franco iniciou o golpe militar em 1936 e morreu em 1975.

 
 
Santos'Fábrica de santos'
Igreja canonizou quase 500 santos nas últimas três décadas.
 
 
Papa Pio 12 (foto arquivo)Vaticano
'Papa da Segunda Guerra Mundial será beatificado'.
 
 
Federico García LorcaEspanha
Assassinato de Federico García Lorca ainda perturba país.
 
 
FrancoEspanha
Trinta anos após sua morte, Franco ainda divide o país.
 
 
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade