http://www.bbcbrasil.com

11 de outubro, 2007 - 08h40 GMT (05h40 Brasília)

Múltis brasileiras brigam por 'liderança econômica mundial', diz jornal

A notícia da compra da empresa argentina Alpargatas pela brasileira São Paulo Alpargatas, que havia sido fundada pela primeira em 1907, recebeu destaque nos principais jornais argentinos nesta quinta-feira.

O diário Página/12 comenta que a Camargo Correa, empresa dona da São Paulo Alpargatas, é “um dos claros exemplos do que os analistas definem como uma pensada e sustentada estratégia do Brasil de ‘fabricar’ multinacionais para disputar a liderança econômica mundial”.

“Apesar de estar uns passos atrás de outros gigantes brasileiros como Gerdau, Vale do Rio Doce, Embraer, Petrobras e Sadia, poderia se dizer que a Camargo Correa forma parte do mesmo mega-plano de negócios”, afirma a reportagem do Página/12.

O jornal observa que “assim como outras empresas de dimensão parecida, como AmBev, Friboi ou Grendene, a Camargo Correa vai estendendo suas operações através da aquisição de empresas estratégicas em países vizinhos e sua associação com líderes mundiais nos países centrais”.

'Empresa símbolo'

O diário La Nación, por sua vez, comenta que a Alpargatas é “a empresa símbolo da indústria têxtil e de calçados da Argentina”, fundada em 1883 e que há um século havia se estabelecido no Brasil, com a fundação da São Paulo Alpargatas.

A reportagem afirma que a empresa brasileira “fechou ontem um círculo e se converteu em controladora da própria mãe”.

O jornal observa ainda que a matriz argentina havia sido a principal controladora da São Paulo Alpargatas até 1982, quando a companhia passou ao controle da Camargo Correa.

Reportagem do Clarín relata que a empresa brasileira comprou, por US$ 51,7 milhões, 34,5% da companhia argentina que estava nas mãos de um fundo de investimento americano e ofereceu outros US$ 32,4 milhões por 25,5% das ações da empresa, que são negociadas na Bolsa de Buenos Aires.

O jornal comenta que assim a Camargo Correa, que já era a dona da metade do cimento produzido na Argentina, após a compra da Loma Negra, em 2005, se tornou também a principal fabricante no país de calçados esportivos e tecidos para jeans.