http://www.bbcbrasil.com

18 de outubro, 2007 - 09h28 GMT (06h28 Brasília)

Política econômica leva a 'brasilianização' de empresas argentinas, diz jornal

Um editorial do jornal La Nación atribui a onda de aquisições de empresas argentinas por suas concorrentes brasileiras a um melhor desempenho da política econômica brasileira em comparação com a argentina.

"Mais empresas em mãos brasileiras", diz o editorial, que ilustra o processo – que chama de "brasilianização" das empresas nacionais - com a recente compra da tradicional fabricante de calçados argentina Alpargatas pela brasileira São Paulo Alpargatas, ex-subsidiária que virou concorrente.

O fenômeno se repete em diversos outros setores da economia, como carnes, alimentos e bebidas, e com empresas de porte da Quilmes e Perez Companc.

Para o jornal, "a brasilianização das empresas argentinas tem mais de uma explicação": a primeira é o câmbio fortalecido no Brasil e artificialmente desvalorizado na argentina, que barateia os ativos do país vizinho.

Outro fator importante é o papel da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) como meio de capitalização de firmas brasileiras.

"Quase todos os grandes fundos de investimento do mundo estão presentes na Bovespa e facilitam a captação de recursos que são empregados nos planos de expansão das empresas brasileiras", explica o editorial.

Além disso, lembra o La Nación, o Brasil está bem mais próximo da Argentina de alcançar nível de investimento nas avaliações das agências internacionais de risco.

Essas resultam de políticas ortodoxas aplicadas pelo governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que para o diário "se mostram finalmente mais consistentes e duradouras".

Por fim, o jornal atribui a venda de empresas argentinas a uma "índole cultural profundamente arraigada nas atitudes empresariais".

"Nosso país tem se caracterizado pela volatilidade das políticas públicas e pela recorrente intervenção estatal em favor da estabilidade dos negócios", afirma o La Nación.

"Na demagogia dos governantes e políticos, o empresário tem sido com freqüência o culpado e o bode expiatório dos problemas econômicos e sociais. Ser empresário bem-sucedido por ser um problema na Argentina, e muitos preferem substituir o risco de gerenciar pessoal e conflitos pelo campo de golfe e o perfil baixo."

Para o diário, "muitos políticos que se lamentam pela desargentinização das empresas deveriam refletir sobre o quanto têm contribuído para incentivar este fenômeno".