BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às:
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Extremismo forçou estado de exceção, diz líder do Paquistão
 
Pervez Musharraf, presidente do Paquistão, em pronunciamento na TV
Musharraf acusou Judiciário de paralisar o governo
O presidente do Paquistão, Pervez Musharraf, explicou neste sábado em um pronunciamento sua decisão de impor estado de exceção no país, dizendo que extremistas estão à solta impunemente no Paquistão e que, se nenhuma ação firme fosse tomada, o país estaria em perigo.

Segundo Musharraf, militantes islâmicos estão agindo como se tivessem um governo próprio no país, e o governo oficial foi quase paralisado pela interferência do judiciário.

“O Paquistão atingiu um ponto perigoso, e está passando por uma crise interna”, disse. “O que quer que esteja acontecendo é por causa de distúrbios internos.”

“A situação está mudando muito rápido. O terrorismo e o extremismo estão no limite”, afirmou, citando atentados que mataram mais de 130 pessoas no mês passado na cidade paquistanesa de Karachi.

“O sistema de governo, no meu ponto de vista, está em semiparalisia. Todos os funcionários do governo estão sendo insultados pelos tribunais, e é por isso que nós não estamos sendo capazes de tomar medidas.”

“A falta de ação neste momento seria o mesmo que o Paquistão cometer suicídio. Eu não posso permitir que este país cometa suicídio”, completou.

Bhutto

O presidente suspendeu neste sábado a Constituição e afastou o presidente da Suprema Corte, Iftikhar Chaudhry – depois de o juiz ter declarado inconstitucional o estado de emergência.

Nos últimos meses, o Paquistão, um importante aliado dos Estados Unidos na Ásia, tem sido palco de instabilidade política, com a diminuição crescente da popularidade de Musharraf – que chegou ao poder em um golpe de estado em 1999.

Buscando uma base mais forte de sustentação política, Musharraf se aproximou da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto, líder do maior partido do país, que retornou no mês passado ao Paquistão após oito anos de exílio voluntário.

Bhutto criticou as decisões do presidente e disse que elas equivalem a um ato de “ditadura”.

“A menos que o general Musharraf reverta seu curso, será muito difícil que ocorram eleições justas”, disse ela, se referindo às eleições parlamentares, previstas para janeiro.

“Eu concordo com ele que nós enfrentamos uma crise política, mas acredito que o problema é a ditadura; eu não acredito que a solução é ditadura.”

“Eu pretendo me reunir com outros líderes de partidos políticos e discutir com eles uma força de ação para reverter a suspensão da constituição.”

 
 
O presidente do Paquistão, Pervez MusharrafPaquistão
Tire suas dúvidas sobre a crise política no país.
 
 
A ex-primeira-ministra do Paquistão, Benazir BhuttoAnálise
Ex-premiê dá tiro no escuro ao voltar ao Paquistão.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade