BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 17 de novembro, 2007 - 18h39 GMT (16h39 Brasília)
 
Envie por e-mail Versão para impressão
Solução de 'meio-termo' põe Amazônia em relatório do IPCC
 

 
 
Floresta amazônica
Maior floresta tropical do mundo poderia virar savana, segundo algumas previsões
Uma solução “de meio-termo” aceita apenas no final de uma longa negociação foi necessária para colocar no relatório final do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês) uma menção à floresta amazônica.

Por iniciativa brasileira, incluiu-se um quadro apresentando exemplos de regiões que podem ser afetadas pela mudança climática em todo o mundo, entre as quais estão a Amazônia e o semi-árido nordestino.

"Até meados do século, projeta-se que aumentos de temperaturas associados à redução do nível de água no solo ocasionarão uma substituição gradual da floresta tropical por savana no leste da Amazônia", diz um trecho do quadro. “A vegetação semi-árida tende a ser substituída por vegetação árida.”

A tabela, que não constava dos últimos rascunhos do relatório político do IPCC, foi aprovada apenas na quinta-feira à noite, depois que negociadores brasileiros insistiram na necessidade de citar possíveis conseqüências do aquecimento global sobre a maior floresta tropical do mundo.

Na quarta-feira, a BBC Brasil apurou que os negociadores haviam deixado de mencionar um tema tão sensível para o Brasil ao aprovar a parte do relatório que alertava para os impactos a serem percebidos nos ecossistemas e regiões mais ameaçados.

Os cientistas destacaram a diminuição do gelo no Ártico, a exposição das pequenas ilhas à elevação do nível do mar, as chances de tempestades nos deltas de rios asiáticos e a vulnerabilidade da África.

‘Visão nortista’

A inclusão da Amazônia nos relatórios do IPCC vinha sendo defendida pela delegação brasileira desde a apresentação do segundo documento, em Bruxelas, disse à BBC Brasil o coordenador-geral de Mudança Climática do Ministério da Ciência e Tecnologia, José Domingos Gonzalez Miguez, negociador-chefe em Valência.

Ele afirmou que os cientistas relutavam em colocar a floresta tropical brasileira nos textos por falta de informações sobre os possíveis impactos da mudança climática no ecossistema. Já as evidências sobre o impacto no semi-árido eram mais fortes, por conta de estudos sobre este tipo de vegetação – não necessariamente no Nordeste brasileiro – publicados no exterior.

“O quadro foi um compromisso (de meio-termo), uma solução encontrada para incluir a Amazônia no relatório-síntese”, afirmou o negociador.

Para Miguez, a presença reduzida de cientistas latino-americanos em comparação com as delegações de países desenvolvidos ajuda a explicar o foco menor em outras regiões. Outra razão é a prioridade dada pelo IPCC a pesquisas publicadas nas principais revistas acadêmicas estrangeiras. Acaba-se dando mais peso aos estudos realizados em inglês, embora a maior parte da literatura sobre a Amazônia esteja em português ou espanhol.

Como resultado, ele afirmou, o IPCC corre o risco de acabar chancelando uma visão “nortista” dos fenômenos climáticos, sob a perspectiva de países do hemisfério norte.

Contraste

A ausência da Amazônia no relatório-síntese do IPCC neste ano contrastaria com as palavras do secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, que neste sábado divulgou o documento oficialmente em Valência.

“Na Amazônia, vi como a floresta, o 'pulmão da terra' está sendo sufocada”, disse o secretário-geral, que acaba de voltar de um giro pela América do Sul, aos representantes de 130 países. "Se a previsão mais forte do grupo (IPCC) se tornar realidade, grande parte da selva amazônica se transformará em savana."

O IPCC analisa vários modelos que estimam o impacto da mudança climática sobre a Amazônia. A continuarem as atuais políticas públicas, entre 10% e 25% da floresta poderia virar savana até 2080, dizem os cientistas, uma hipótese que o IPCC considerou “mais provável que improvável”.

Entre os modelos considerados mais "catastróficos", está o elaborado pelo britânico Hadley Centre, que mostra o ecossistema desaparecendo completamente até 2080.

 
 
o presidente do IPCC, Rajendra PachauriMeio ambiente
Painel da ONU alerta para mudança 'irreversível' do clima.
 
 
John Christy, professor de Ciências Atmosféricas da Universidade do AlabamaOpinião
Para membro do IPCC, conclusões não são infalíveis.
 
 
Plataforma de petróleoMatriz energética
Veja que tipo de energia o mundo consome.
 
 
Poluição do arResumo do IPCC
Veja as mudanças previstas em relatório do grupo da ONU.
 
 
Horizonte chinês, com as cores do sol modificadas pelo ar localPainel do clima
Entenda o que é o IPCC e suas conclusões.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade