BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 07 de dezembro, 2007 - 17h25 GMT (15h25 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Exercício reduz em quase 34% risco de Alzheimer, diz estudo
 
Pesquisa indica que falta de exercício pode levar à demência
Pesquisadores da Universidade de Bristol, na Grã-Bretanha, afirmam que uma vida ativa pode reduzir em quase 34% o risco de uma pessoa desenvolver o Mal de Alzheimer.

Os pesquisadores fizeram uma análise de 17 avaliações, examinando os efeitos da atividade física em problemas mentais como demência e mal de Alzheimer.

De acordo com o estudo, a atividade física em homens e mulheres estava associada a uma queda entre 30% e 40% no risco de desenvolver Alzheimer.

Os pesquisadores dizem que ainda não é possível determinar a razão deste efeito, mas avaliam que ele pode estar associado aos benefícios ao sistema vascular e também à liberação de substâncias químicas no cérebro.

Depressão

Uma outra pesquisa, realizada pela Universidade de Strathclyde, na Grã-Bretanha, afirma que a falta de atividades físicas pode levar à depressão e à demência.

O estudo foi apresentado na conferência da Fundação Britânica de Nutrição.

A professora Nanette Mutrie, uma especialista em exercício e psicologia esportiva da Universidade de Strathclyde, afirmou na conferência que foi apenas recentemente "que as pessoas começaram a ver a ligação entre atividade física e saúde mental".

"É importante para aumentar a auto-estima das pessoas, o humor em geral, melhorar a forma de lidar com o estresse e até melhorar o sono", disse. "E agora temos provas de que a atividade física pode evitar a depressão."

Segundo a professora, as pessoas inativas têm o dobro do risco de desenvolver depressão, e também existem indícios de que o exercício pode ser um dos tratamentos para o problema.

"Estima-se que atualmente mais de 700 mil pessoas na Grã-Bretanha sofrem de demência e são necessárias mais pesquisas para determinar como o problema pode ser evitado", disse.

"Já existe muita ênfase para a boa nutrição, mas também devemos encontrar formas de ajudar as pessoas a serem fisicamente mais ativas para garantir que elas preservem a saúde e a qualidade de vida quando chegarem a uma idade mais avançada", disse Judy Buttriss, diretora-geral da Fundação Britânica de Nutrição.

 
 
Idosa com alzheimer Saúde
Dieta rica em ômega 3 reduz risco de Alzheimer, diz estudo.
 
 
Portador de Alzheimer 'Epidemia'
Casos de Alzheimer 'quadruplicarão até 2050', diz estudo.
 
 
Mal de Alzheimer Mal de Alzheimer
Roncar pode aumentar riscos
 
 
Suco de laranja Saúde mental
Estudo investiga ligação de dieta com Alzheimer.
 
 
Mulher faz o teste psiquiátrico para diagnosticar o mal de Alzheimer Alzheimer
Descoberta pode levar a teste de pele para diagnóstico da doença.
 
 
Cérebro Mal de Alzheimer
Cientistas desenvolvem pílula contra a doença.
 
 
Mal de Alzheimer
Dieta mediterrânea diminui riscos, diz estudo
 
 
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade