BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 18 de janeiro, 2008 - 13h49 GMT (11h49 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Morre Bobby Fischer, lenda americana do xadrez
 
Bobby Fischer
Enxadrista era crítico ferrenho do governo americano
O excêntrico ex-campeão mundial de xadrez Bobby Fischer morreu na Islândia, aos 64 anos de idade.

Fischer, que nasceu nos Estados Unidos, ficou famoso por ter se consagrado o melhor enxadrista do mundo ao derrotar o soviético Boris Spassky em 1972, em plena Guerra Fria.

Fischer, que já estava doente havia algum tempo, recebeu a cidadania islandesa em 2005, como forma de evitar sua deportação para os Estados Unidos.

O enxadrista era procurado por ter violado sanções internacionais quando disputou uma partida na antiga Iugoslávia, em 1992.

Ele começou a atrair antipatia nos Estados Unidos quando atacou judeus em comentários públicos e quando expressou apoio aos atentados de 11 de setembro, em Nova York e Washington.

O recluso enxadrista morou incógnito no Japão por vários anos, antes de se mudar para a Islândia.

O ex-campeão mundial de xadrez, Garry Kasparov, disse que a ascenção de Fischer no mundo do xadrez nos anos 60 foi um "avanço revolucionário" para o jogo.

Fischer nasceu em Chicago, em 1943. Foi campeão americano aos 14 anos de idade.

Mas a fama mundial veio em 1972, na disputa do título mundial contra o campeão Spassky, na Islândia. A série de partidas foi acompanhada pela mídia do mundo inteiro, em um fenômeno sem precedentes na história do esporte.

O chamado "jogo do século" foi tido como um símbolo da Guerra Fria, da briga entre os EUA e a União Soviética pela surpemacia no mundo.

Todos os campeões mundiais de xadrez desde o final da Segunda Guerra Mundial tinham sido soviéticos.

Ao vencer Spassky, Fischer virou um herói nos Estados Unidos.

Ele perdeu o título em 1975, ao se recusar a jogar contra o rival soviético Anatoly Karpov.

Depois de um longo sumiço, Fischer retornou aos holofotes da mídia em 1992, quando fez uma nova disputa contra Boris Spassky na Iugoslávia, desafiando sanções internacionais.

E após os atentados de 11 de setembro de 2001, Fischer causou escândalo nos EUA ao dizer, em uma entrevista a uma rádio filipina, que os ataques teriam sido uma "excelente notícia".

Ele abdicou da cidadania americana e foi viver no Japão e na Islândia.

 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
'Gênio do xadrez' pede para ser libertado no Japão
24 de dezembro, 2004 | Cultura & Entretenimento
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade