BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 10 de março, 2008 - 20h47 GMT (17h47 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Mudança climática pode desencadear conflitos, diz UE
 

 
 
Seca
A falta de água em países pobres poderia gerar 'refugiados do clima'
Um relatório elaborado pelos dois líderes da diplomacia da União Européia afirma que a mudança climática poderá desencadear, na próxima década, uma série de conflitos globais e causar uma onda de imigração em massa devido à falta de alimentos, água e recursos energéticos.

Escrito pelo Alto Representante da União Européia, Javier Solana, e pela comissária de Relações Exteriores, Benita Ferrero-Waldner, o documento servirá de base para um debate sobre possíveis medidas para combater o aquecimento global, o principal assunto da cúpula de chefes de Estado europeus que será realizada nesta semana em Bruxelas.

Ao longo de sete páginas, Solana e Ferrero-Waldner afirmam que há uma tendência de aumento de tensões entre os países mais pobres, que sofrerão com maior intensidade as conseqüências do aquecimento global, e os mais ricos, acusados de serem os maiores causadores das mudanças climáticas.

O relatório também prevê conflitos entre a Rússia e o Ocidente em torno dos recursos minerais do Ártico, com conseqüências que poderiam colocar em risco "a estabilidade internacional e os interesses europeus".

"O rápido degelo das calotas polares, em particular no Ártico, está abrindo novas rotas marítimas e de comércio internacional", diz o documento. "O acesso mais fácil aos enormes recursos de hidrocarboneto do Ártico está mudando a dinâmica geoestratégica da região."

Por isso, os líderes europeus propõem que a União Européia elabore uma política específica para o Ártico.

Migração

Segundo o relatório, na próxima década, a União Européia poderá enfrentar uma avalanche de "milhões de imigrantes ambientais, com a mudança climática como principal causa desse fenômeno".

Os "refugiados do clima" chegarão à Europa fugindo da falta de água e de suas conseqüências na África Central e no Oriente Médio.

"É praticamente certo que as tensões em torno do acesso à água se intensificarão na região, levando a maior instabilidade política, com implicações negativas para a segurança energética da Europa", diz o relatório.

Só em Israel, a disponibilidade de água potável deverá diminuir em 60% durante este século.

Iraque, Síria, Arábia Saudita e Turquia serão castigados pela redução das terras cultiváveis causada por secas intensas, o que poderia intensificar tensões já existentes e gerar uma série de conflitos internos, como o que assola atualmente a região de Darfur, no Sudão.

Até 2050, a África perderia três quartos de suas terras aráveis devido ao aumento do nível do mar e à salinização. O problema poderia afetar cerca de 5 milhões de pessoas que vivem no delta do rio Nilo e cuja economia depende da agricultura.

"A mudança climática é um multiplicador de riscos que exacerba tendências, tensões e instabilidades já existentes", afirma o relatório.

Para a União Européia, o problema é que esses fatores "incluem riscos políticos e de segurança que afetam diretamente os interesses europeus".

Estratégia

Será a primeira vez que um documento desse tipo vai ser debatido pela União Européia em uma cúpula de chefes de Estado.

Solana e Ferrero-Waldner querem que o bloco comece a levar em consideração a mudança climática ao elaborar as políticas européias de Relações Exteriores e Segurança.

Eles argumentam que alguns dos países mais afetados já estão pedindo que o fenômeno seja reconhecido internacionalmente como razão para justificar a imigração, como se faz atualmente em casos de asilo político ou de refugiados de guerra.

De acordo com um rascunho das conclusões que deverão ser adotadas na cúpula desta semana, os chefes de Estado europeus se comprometerão a tomar as "ações apropriadas" até o fim deste ano.

 
 
Amazônia Aquecimento global
Amazônia pode 'morrer' em 50 anos, diz estudo.
 
 
Sol Meio ambiente
Tema preocupa 74% dos jovens brasileiros, segundo pesquisa.
 
 
Amazônia Amazônia
Adaptação à mudança do clima 'é melhor do que se pensa'.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Aquecimento está se acelerando, adverte Gore
24 janeiro, 2008 | BBC Report
Derretimento do gelo antártico aumenta 75% em 10 anos
13 de janeiro, 2008 | Ciência & Saúde
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade