BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 02 de abril, 2008 - 17h45 GMT (14h45 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Ato sexual ideal dura de 3 a 13 minutos, diz estudo
 
Estudo diz que sexo 'desejável' dura de sete a 13 minutos
Uma relação sexual satisfatória dura entre três e 13 minutos, de acordo com estudo realizado por pesquisadores da Universidade Penn State, no Estado americano da Pensilvânia.

Os pesquisadores ouviram 50 integrantes americanos e canadenses da Sociedade de Pesquisa e Terapia Sexual, incluindo psicólogos, médicos, assistentes sociais, terapeutas familiares e enfermeiras.

De acordo com o levantamento, os pesquisados acreditam que um ato sexual "adequado" dura entre três e sete minutos; um "desejável", de sete a 13 minutos; um "curto demais", de um a dois minutos; e um "muito longo", de dez a 30 minutos.

Os resultados foram publicados na revista Journal of Sexual Medicine.

"A interpretação de um homem ou de uma mulher de seu funcionamento sexual, ou o de sua (seu) parceira (o) tem como base crenças pessoais fundamentadas, em parte, nas mensagens da sociedade", afirmaram os pesquisadores.

"Infelizmente, a cultura popular atual reforçou estereótipos a respeito das atividades sexuais", acrescenta o estudo.

"E muitos homens e mulheres parecem acreditar na fantasia de um pênis enorme, ereções duras como uma rocha e relações que duram a noite toda", afirmam os autores da pesquisa.

Pesquisas anteriores

Pesquisas anteriores indicavam que uma grande porcentagem de homens e mulheres gostaria que a relação sexual durasse 30 minutos ou mais.

"Esta parece ser uma situação propícia para decepção e insatisfação", afirmou um dos autores da pesquisa, Eric Corty, da Universidade Penn State.

"Com essa pesquisa, esperamos dissipar estas fantasias e encorajar homens e mulheres com informações realistas a respeito de relações sexuais aceitáveis, evitando decepções e problemas sexuais", acrescentou o pesquisador.

O estudo também poderá ajudar no tratamento de pessoas que já têm problemas sexuais.

"Se um paciente está preocupado com a duração da relação, estas informações podem ajudar a afastar a preocupação com problemas físicos e fazer com que ele seja tratado, inicialmente, com aconselhamento, ao invés de remédios", disse Corty.

 
 
Casal (arquivo) Pesquisa
Um em cada quatro casais no Japão 'não faz sexo'.
 
 
Funisia dorothea (Foto: Droser lab, UC Riverside) Mundo animal
Fóssil mostra 'primeiro animal a fazer sexo'.
 
 
Amor cego
Amor 'blinda' casais ao charme alheio, diz estudo americano.
 
 
Relacionamentos
Baixinhos 'são mais ciumentos' que homens altos.
 
 
Cena do jogo 'World of Warcraft' Pesquisa
'Mais da metade dos internautas muda de sexo em jogos online'.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade