BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 24 de abril, 2008 - 06h06 GMT (03h06 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Líderes latino-americanos anunciam fundo contra crise dos alimentos
 
Agricultores cubanos
Fundo de US$ 100 milhões ajudaria a aumentar produção agrícola
Os líderes da Venezuela, da Bolívia, de Cuba e da Nicarágua anunciaram nesta quarta-feira a criação de um fundo de US$ 100 milhões (cerca de R$ 165 milhões) para combater o impacto da alta mundial nos preços dos alimentos sobre a população pobre da América Latina.

A decisão foi anunciada em Caracas, durante reunião da Alternativa Bolivariana para as Américas (Alba), organização que reúne países latino-americanos contrários à Área de Livre Comércio das Américas (Alca).

O fundo ajudaria a aumentar a produção de lavouras como as de arroz, feijão e trigo.

Os representantes desses países também concordaram em criar programas conjuntos para promover o desenvolvimento da agricultura.

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse aos outros líderes presentes - os presidentes da Bolívia, Evo Morales, e da Nicarágua, Daniel Ortega, além do vice-presidente de Cuba, Carlos Lage - que é preciso criar uma rede de distribuição.

"Para não cairmos nas mãos de intermediários e especuladores, que impedem milhões de pessoas de receber comida", disse o anfitrião.

No entanto, não foram divulgados muitos detalhes do programa durante a reunião.

Crise

O alta nos preços dos alimentos vem provocando uma crise mundial. Em diversos países, como Haiti, Indonésia, Camarões e Egito, os aumentos provocaram revoltas populares recentemente.

Segundo os participantes do encontro em Caracas, um dos motivos da alta dos preços seria o aumento na produção de biocombustíveis, incentivado especialmente pelos Estados Unidos.

Chávez afirmou que a crise alimentar é "a maior demonstração do fracasso histórico do modelo do capitalismo".

O presidente da Nicarágua disse que no ano passado o preço do arroz aumentou 70%, e o do trigo, 130%. Segundo Ortega, o impacto social desses aumentos já é sentido ao redor do mundo.

"Esta questão é realmente crucial para o futuro dos nossos povos, principalmente para as populações dos países mais pobres", disse Ortega.

África

Na África, ministros de Finanças anunciaram a criação de um fundo semelhante à iniciativa latino-americana, no valor de US$ 500 milhões.

Metade desse valor seria usada para reduzir o impacto da alta dos preços dos alimentos, e o restante para aumentar a produção agrícola local.

Na terça-feira, a Organização das Nações Unidas (ONU) chamou a atual crise dos alimentos de um "tsunami silencioso" que ameaça arrastar 100 milhões de pessoas no mundo para a fome.

 
 
Evo Morales Evo Morales
'Não aceitam que um indígena possa ser presidente'.
 
 
Lula com presidente de Gana, John Agyekum Kufuor Crise dos alimentos
Lula diz que etanol dos EUA à base de milho é 'equívoco'.
 
 
Caminhão com milho na Argentina Crise dos alimentos
ONU diz que práticas de agricultura precisam mudar.
 
 
O ministro da Fazenda, Guido Mantega Economia
Inflação de alimentos pode beneficiar Brasil, diz Mantega.
 
 
Lula com premiê holandês Balkenende Na Holanda
'Não venham culpar o etanol', diz Lula sobre inflação de alimentos.
 
 
Zoellick segura pedaço de pão em coletiva Combate à fome
Bird quer 'expertise' do Brasil para aplacar fome na África.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade