BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 28 de agosto, 2008 - 12h10 GMT (09h10 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
UE ameaça sanções à Rússia; governo russo desdenha
 
O ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov.
Lavrov disse que ameaça é 'resposta emocional' à crise
O ministro das Relações Exteriores da França, Bernard Kouchner, disse nesta quinta-feira que os líderes da União Européia estão considerando impor sanções à Rússia, dias após o Kremlin reconhecer a independência de duas províncias separatistas da vizinha Geórgia.

Kouchner não deu mais detalhes sobre a discussão, mas afirmou que o assunto "será resolvido através de negociações". Na segunda-feira, líderes da União Européia se encontrarão em caráter de emergência para decidir como lidar com a posição russa na atual crise.

Segundo a correspondente da BBC em Bruxelas Oana Lungescu, o anúncio de Kouchner representa uma virada na sua posição da UE adotada no início da semana, quando o ministro descartava a adoção de sanções contra a Rússia.

Entre as possíveis medidas a serem impostas está o bloqueio da Rússia à Organização Mundial do Comércio (OMC) e restrições para dificultar a entrada dos russos em países europeus.

O ministro do Exterior russo, Sergei Lavrov, desdenhou as declarações de seu parceiro francês e afirmou que a ameaça de sanções é uma resposta emocional aos problemas na Geórgia – o "animalzinho de estimação do Ocidente", conforme Lavrov.

Posição

O Ocidente vem nos últimos dias manifestando sua condenação à decisão do Kremlin de reconhecer a independência das províncias separatistas da Ossétia do Sul e da Abecásia.

Os líderes dos países que compõem o G7 - grupos dos sete países mais industrializados do mundo – afirmaram que o reconhecimento da independência das províncias separatistas por Moscou violava a integridade e soberania da Geórgia.

Em comunicado conjunto, os líderes de Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos condenaram a Rússia pelo "uso excessivo da força militar e sua contínua ocupação na Geórgia".

O grupo afirmou ainda que o reconhecimento da independência das regiões viola o plano de paz assinado pelos dois países.

Apesar das críticas, o presidente russo, Dmitri Medvedev, afirmou que a ação do país na Geórgia conta com o apoio da China e de aliados na Ásia Central, e que esta é uma "mensagem séria" para o Ocidente.

Em um discurso durante a cúpula da Organização de Cooperação de Xangai (SCO, na sigla em inglês), Medvedev disse que a união do grupo terá "ressonância internacional".

"Espero que isto sirva de sinal para aqueles que tentam transformar preto em branco e justificar essa agressão", disse Medvedev, referindo-se à tentativa da Geórgia de retomar o controle da província da Ossétia do Sul através de ações militares no início deste mês.

Em resposta às operações georgianas, a Rússia empreendeu uma ofensiva que provocou ainda mais confrontos com o Exército da Geórgia.

O conflito foi encerrado mediante um acordo de cessar-fogo proposto pela União Européia que previa a retirada das tropas da região.

Diálogo

Depois das declarações feitas pelo presidente russo, o governo chinês reforçou sua preocupação com a posição da Rússia no Cáucaso.

"Esperamos que os países envolvidos resolvam essas questões através do diálogo", disse um porta-voz do Ministério do Exterior chinês.

A SCO foi formada em 2001 tendo como um de seus objetivos atuar como uma espécie de contrapeso para a influência da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no Oriente.

Segundo o analista da BBC para assuntos diplomáticos, Jonathan Marcus, a organização espera que a Rússia se volte mais para a região, já que suas relações com o Ocidente estão em crise.

Marcus esclarece, no entanto, que seria errado considerar essa união como um sinal de emergência de um bloco anti-Ocidente, já que seu membro mais poderoso – a China – não poderia estar mais integrado à economia internacional.

Além disso, o analista afirma ainda que a China considera a integridade territorial e a defesa da soberania nacional como valores quase sagrados em suas relações diplomáticas.

 
 
Navio russo entra no porto de Sebastopol Guerra Fria?
Criméia pode ser teste para inteções russas.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Rússia suspende cooperação com Otan
21 agosto, 2008 | BBC Report
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade