BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 19 de novembro, 2008 - 09h31 GMT (07h31 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
China deve ofuscar EUA em cúpula da Apec
 

 
 
Hu Jintao
Hu Jintao realiza um giro por países da América Latina
O presidente da China, Hu Jintao, desembarca nesta quarta-feira em Lima, no Peru, para participar - e provavelmente ser uma das estrelas – da cúpula dos países membros do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico, a (Apec, na sigla em inglês).

A presença do líder chinês deve ofuscar o tradicional protagonismo do presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, no evento deste fim-de-semana.

De saída da Casa Branca e deixando o país à beira da recessão, Bush tem poucas razões para ser o centro das atenções. Já Jintao representa um país que vem se consolidando como um dos principais mercados mundiais nesses tempos de crise e como um dos maiores parceiros comerciais da América Latina - representada no encontro da Apec por três países: Peru, Chile e México.

Jintao se encontra no meio de um giro pela América Latina, o que sinaliza a importância que a China está dando à região - que foi praticamente abandonada pelos Estados Unidos durante o governo Bush.

Em entrevista à BBC Brasil, o especialista em diplomacia chinesa Octavio Fernández diz que "dentro da lógica dialética chinesa, crise não é só risco, também é oportunidade".

"Historicamente, a América Latina dependeu muito dos Estados Unidos. Mas a crise financeira fez com que o poder que o país tem sobre a América Latina diminua, enquanto o da China cresce. Neste contexto de relativa debilidade americana, a China vê a oportunidade de continuar estreitando laços com países da região”, afirma.

Mas Fernández afirma que o país não vai resgatar nenhuma economia da América Latina. “A China não tem capacidade para isso”, afirma.

Nos últimos quatro anos, o volume de comércio sino-latino-americano e sino-caribenho manteve um crescimento anual de 40%. Em 2007, bateu o recorde histórico de US$ 100 bilhões.

Estimativas dão conta de que, na próxima década, os investimentos chineses na região podem crescer até 20% ao ano.

'Flexível'

Em uma entrevista dada esta semana para o jornal El Comercio do Peru, Hu Jintao, que está realizando um giro pela América, diz que "as relações entre a China e a América Latina e o Caribe nunca foram tão estreitas como agora".

"A região conta com um vasto território, rico em recursos naturais e um enorme potencial de desenvolvimento", diz Jintao, que chega nesta quarta-feira ao Peru, acompanhado por uma comitiva de 500 pessoas, entre funcionários públicos e empresários.

Para o diretor do Instituto Peruano de Economia, Fritz Dubois, a China é importante neste momento porque, mesmo com a crise, vai crescer 8,5%. “O país vai assegurar o crescimento mundial”, afirma. Para o economista, a Índia e o Peru são outros dois países que devem continuar com um bom ritmo de crescimento.

“Em 2007, um terço do crescimento mundial se deve à China. O Peru deve se concentrar no gigante. É muito conveniente ter um acordo com eles”, aconselha o ex-ministro da Economia peruano, Pedro Pablo Kuczynski, tendo em vista que para o ano que vem, o cenário não é dos mais otimistas para os Estados Unidos e Europa.

Tratados

A Apec reúne 21 economias - entre elas, Estados Unidos, China, Japão, Canadá e Coréia do Sul - e é responsável por quase 60% do PIB mundial.

Para Kuczynski, a reunião da Apec é a grande oportunidade que têm Peru, Chile e México – os únicos países latino-americanos que participam -, para concretizar relações comerciais com as principais nações asiáticas.

O empresário Gonzalo Garland concorda: “A melhor região para exportar em meio à crise financeira é a Ásia-Pacífico, porque, apesar de tudo, continua com a tendência do crescimento econômico”.

O Chile e a Austrália já assinaram um Tratado de Livre Comercio (TLC) com a China. Depois de dez meses de negociações, o Peru deve assinar o TLC com o país asiático durante a reunião da Apec.

O impacto será de um aumento de US$ 1 bilhão no PIB peruano. Durante o primeiro ano de vigência do acordo de livre comércio com a China, o Chile também viu o mesmo aumento em seu PIB.

 
 
Hu Jintao China
Hu Jintao faz giro pela América Latina em busca de influência.
 
 
ministro das Relações Exteriores chinês Yang Jiechi Emergentes
China divulga novo relatório de estratégia para AL e Caribe.
 
 
Operária em fábrica chinesa (arquivo) Análise
Crescimento da China é crucial para América Latina superar crise.
 
 
O primeiro-ministro chinês  Wen Jiabao Influência
China quer papel mais ativo na solução à crise econômica.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Cúpula do G20 é sinal de mudança nos tempos
16 novembro, 2008 | BBC Report
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade