BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 12 de dezembro, 2008 - 22h47 GMT (20h47 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Equador declara moratória de parte da dívida externa
 

 
 
O presidente do Equador, Rafael Correa, nesta sexta-feira (AFP)
Correa disse que vai apresentar plano de reestruturação da dívida
O presidente do Equador, Rafael Correa, declarou, nesta sexta-feira, a moratória de uma parte de sua dívida externa, decidindo não pagar US$ 30,6 milhões de juros do bônus Global 2012, que venceria na próxima segunda-feira.

"Dei ordens para que não sejam pagos os juros, uma vez que o país está em 'default' de sua dívida externa", declarou Correa a jornalistas, em Guayaquil, sudoeste do país.

A medida já era esperada. Na semana passada, autoridades equatorianas haviam anunciado que o país estava buscando maneiras de não pagar parte da dívida, amparado no relatório da Comissão de Auditoria da Dívida Externa, organizado pelo governo e que no mês passado qualificou de "ilegais" as dívidas dos bônus Global 2012 e 2030, equivalentes a US$ 3,8 bilhões.

Esses bônus são parte da reestruturação da dívida equatoriana de 2000, quando o país teve que declarar moratória depois da quebra do sistema financeiro nacional, o que levou o país a dolarizar a economia.

A moratória declarada por Correa nesta sexta-feira não tem relação com a dívida do país com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social).

Responsabilidade

A Comissão considerou que os organismos multilaterais promoveram um endividamento "desleal" e que o Fundo Monetário Internacional (FMI) teria "incentivado" esse endividamento.

"Ainda estamos estudando com advogados nacionais e internacionais as estratégias jurídicas para impugnar uma dívida ilegal e ilegítima", afirmou o presidente equatoriano.

Correa disse que seu governo "assume toda a responsabilidade" desta decisão e que está disposto a apresentar um plano de reestruturação da dívida aos credores do país por considerar que "não todas as partes da dívida são ilegais, mas sim a grande parte".

Um das conseqüências imediatas desta decisão é uma provável restrição de crédito das instituições financeiras internacionais ao Equador, problema que o governo pretende solucionar recorrendo à ajuda de países como Venezuela, Rússia e Irã.

O Equador acumula uma dívida externa pública de US$ 10,6 bilhões, valor equivalente a cerca de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Deste total, US$ 3,8 bilhões estão representados por bônus Global, que têm datas de vencimento em 2012, 2015 e 2030.

A moratória é anunciada em um momento em que o país já começa a sentir os efeitos da crise financeira internacional, que levou o preço do petróleo a sua maior baixa nos últimos quatro anos. Cerca de 40% do orçamento do país depende das divisas petrolíferas.

 
 
São Paulo (arquivo) 'Newsweek'
Sucesso do Brasil desperta 'rugidos' em vizinhos, diz revista.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
BNDES diz que contrato com Equador 'é legal'
21 novembro, 2008 | BBC Report
LINKS EXTERNOS
A BBC não se responsabiliza pelo conteúdo dos links externos indicados.
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade