BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 06 de janeiro, 2009 - 13h52 GMT (11h52 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Reservista brasileiro de Israel diz que clima é de 'profunda tristeza'
 

 
 
Mapa de Ashkelon, em Israel
Um brasileiro que mora em Israel e é reservista do Exército do país disse à BBC Brasil que o clima entre os que estão servindo nas Forças Armadas de Israel na Faixa de Gaza - inclusive entre brasileiros - é de profunda tristeza.

Carlos (nome fictício), de 25 anos, recebeu esta semana um aviso de que poderá ser convocado nos próximos dias para o conflito.

Natural de São Paulo, ele obteve cidadania israelense há quatro anos e hoje mora em Ashkelon, município com cerca de 100 mil habitantes. A cidade fica a menos de dez quilômetros da Faixa de Gaza e é uma das que mais tem sofrido com foguetes disparados pelo Hamas.

Ele tem mantido contato com israelenses e outros três brasileiros que servem nas Forças Armadas do país.

"Eu falo com os meus amigos, com os meus comandantes, com os meus oficiais o tempo todo – o pessoal que está acima de mim no meu serviço – e, para ser bem sincero, o sentimento comum a todos no momento, fora o temor pelos entes queridos, é de profunda tristeza."

Com o anúncio feito esta semana pelo ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, de que o país vai convocar "milhares" de reservistas para atuar na Faixa de Gaza, muitos estrangeiros que possuem cidadania israelense se preparam para entrar no conflito com o grupo palestino Hamas.

Violência brasileira

 É profundamente triste termos que chegar a esse extremo de atentar de alguma forma contra a vida humana, seja ela de quem for, mesmo que seja de um terrorista que, se nós não o matarmos, ele vai nos matar.
 
Reservista brasileiro em Israel

Apesar de se dizer preocupado com a possibilidade de participar do conflito, Carlos conta que em Israel esse tipo de situação é algo quase cotidiano na vida dos israelenses, mesmo dos estrangeiros que obtiveram cidadania.

"É uma questão cultural importante. Aqui não é como no Brasil, que o pessoal acaba o colegial e vai para faculdade. Aqui o pessoal acaba o colegial, vai para o Exército e depois vai para a faculdade. É um estágio a mais."

Carlos trabalha em um escritório de uma empresa e diz ter uma vida normal "como qualquer pessoa". O que distingue a sua vida da maioria, no entanto, é o grau de violência ao qual é exposto no seu cotidiano.

Ele conta que convive diariamente com os foguetes disparados pelo Hamas e chegou a construir um bunker em um dos cômodos da sua casa.

"Aconteceu muitas vezes, na última semana principalmente, de eu estar parado no farol vermelho dentro do carro e de começar a tocar a sirene e eu não ter onde me esconder."

Ele compara a situação com a qual convive diariamente em uma das cidades na fronteira de Israel e Gaza com a violência urbana em São Paulo, sua cidade natal.

Janela quebrada em Ashkelon
Ashkelon é uma das cidades que sofre com foguetes do Hamas

"No Brasil, se vive uma guerra civil. É uma guerra não-declarada. Se nós formos comparar com números e proporções, hoje em dia morre muito mais gente em assaltos e com a violência urbana em São Paulo, por exemplo, que é de onde eu vim, do que aqui [em Israel], com todas as guerras e todos os conflitos militares entre um país e outro", diz.

"Obviamente a minha família morre de medo, todo mundo está apavorado e para dizer a verdade, nós aqui também. É uma situação muito complicada e imprevisível. A qualquer momento pode começar a tocar uma sirene avisando que tem um foguete vindo em nossa direção e nós temos 30 segundos para entrar em um bunker."

'Se não matarmos, eles nos matam'

Carlos defende a ação de Israel contra o Hamas na Faixa de Gaza.

Na sua opinião, Israel tentou a todo custo evitar a operação na Faixa de Gaza, mas a situação se tornou insustentável. Para ele, a culpa do conflito é do Hamas, que não cumpriu um cessar-fogo e continua atacando civis israelenses.

"Eu sou um soldado terrestre dentro da minha unidade. Ao entrar em Gaza, o intuito de Israel não é destruir o máximo possível. Pelo contrário, é destruir o mínimo possível. É tentar combater o problema com a maior precisão possível. A intenção não é matar, é prender quem está cometendo um crime contra a humanidade. É o grupo Hamas, não são os civis", diz.

"É profundamente triste termos que chegar a esse extremo de atentar de alguma forma contra a vida humana, seja ela de quem for, mesmo que seja de um terrorista que, se nós não o matarmos, ele vai nos matar."

 
 
Membros do braço militar do Hamas Ofensiva terrestre
Hamas está pronto para batalha nas ruas de Gaza.
 
 
Tanque israelense em Gaza Avanço sobre Gaza
Jornalista da BBC descreve noite do ataque terrestre.
 
 
Ehud Barak, líder do Partido Trabalhista e ministro da Defesa Israel
Operação em Gaza pode ajudar governo em eleições.
 
 
Dupla cidadania
Palestinos abandonam Faixa de Gaza.
Veja
 
 
Tanque israelense em Gaza 'Seguros'
Brasileiros em Gaza 'não querem voltar' para o Brasil.
 
 
Fumaça em Gaza Oriente Médio
Você está em Israel ou em Gaza? Mande seu relato.
 
 
Conflito no Oriente Médio Oriente Médio
Saiba mais sobre o conflito entre Israel e palestinos.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade