BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 07 de janeiro, 2009 - 16h55 GMT (14h55 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Israel aceita 'em princípio' plano de cessar-fogo
 
Veículo de guerra israelense
Após pausa de três horas, Israel retomou bombardeios em Gaza
O governo israelense disse nesta quarta-feira que concorda "em princípio" com uma proposta de cessar-fogo na Faixa de Gaza, após 12 dias de ofensiva militar contra o grupo militante palestino Hamas e seus aliados na região.

Um porta-voz do governo israelens, Mark Regev, afirmou que agora o desafio é encontrar maneiras de tornar o plano realidade.

Israel diz que não sabe quanto tempo o processo diplomático levará e também que seria necessário um embargo de armas contra o grupo Hamas, que controla a Faixa de Gaza.

Um porta-voz do Hamas disse que há "sinais muito positivos, mas ainda não há um acordo".

Há poucas informações oficiais sobre a proposta de cessar-fogo, que foi apresentada pela França e pelo Egito e tem o apoio dos Estados Unidos e da Organização das Nações Unidas (ONU).

Segundo diplomatas, o plano é baseado em medidas para interromper o contrabando de armas via Egito para dentro da Faixa de Gaza, além de um relaxamento no bloqueio imposto por Israel ao território.

Israel diz que a operação militar na Faixa de Gaza tem o objetivo de fazer com que militantes palestinos interrompam o lançamento de foguetes contra o território israelense.

Distância

Em um comunicado divulgado nesta quarta-feira, o presidente da França, Nicolas Sarkozy, disse que ficou feliz com "a aceitação por Israel e pela Autoridade Palestina" do plano de cessar-fogo.

O comunicado não mencionava o Hamas. A Autoridade Palestina, que é controlada pelo Fatah, grupo rival do Hamas, não divulgou até agora nenhuma declaração oficial sobre a proposta.

Segundo Paul Reynolds, analista de assuntos internacionais da BBC, Israel sempre disse que iria aceitar um plano que envolvesse o fim do lançamento de foguetes por militantes e do contrabando de armas.

No entanto, acrescenta Reynolds, há uma longa distância entre aceitar os princípios de um plano e adotar o cessar-fogo na prática.

Pausa

Nesta quarta-feira, Israel interrompeu os ataques em Gaza por três horas para permitir que a população possa receber auxílio médico e suprimentos. Logo depois das 12h (horário de Brasília), os ataques foram retomados.

O governo israelense disse que haverá uma pausa diária nos ataques para permitir que a população possa receber auxílio médico e suprimentos e para "evitar uma crise humana" na região.

O anúncio veio depois da decisão de Israel de aceitar a criação de um corredor para permitir o envio de suprimentos à Faixa de Gaza, onde vivem 1,5 milhão de palestinos.

Para John Ging, da agência de auxílio aos refugiados palestinos das Nações Unidas, a oferta israelense é um avanço na crise, mas a prioridade continua sendo o fim da violência na região.

O Banco Mundial alertou nesta quarta-feira para o perigo de uma crise de saúde pública em Gaza devido aos danos causados pelos bombardeios no sistema de esgotos e à falta de água potável.

De acordo com dados da ONU e do Ministério da Saúde palestino, mais de 600 palestinos morreram desde o início da operação militar israelense. Entre as vítimas estão pelo menos 205 crianças, segundo fontes palestinas.

Segundo o governo israelense, sete de seus soldados foram mortos desde o início da ação e quatro israelenses morreram em decorrência de foguetes lançados por militantes palestinos.

Como Israel não permite a entrada de jornalistas estrangeiros na Faixa de Gaza, as informações não podem ser confirmadas.

 
 
Gaza Diplomacia
ONU discute propostas para trégua em Gaza
Veja
 
 
Criança sendo socorrida após ataque a escola em Jabaliya Ofensiva em Gaza
Ao menos 30 morrem em ataque a escola.
Veja
 
 
Soldados israelenses em Gaza Ataque em Gaza
Dezenas morrem em invasão terrestre
Veja
 
 
Fumaça em Gaza Oriente Médio
Você está em Israel ou em Gaza? Mande seu relato.
 
 
Tanque israelense em Gaza 'Seguros'
Brasileiros em Gaza 'não querem voltar' para o Brasil.
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade