BBCBrasil.com
70 anos 1938-2008
Español
Português para a África
Árabe
Chinês
Russo
Inglês
Outras línguas
 
Atualizado às: 12 de janeiro, 2009 - 13h54 GMT (11h54 Brasília)
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
Crise em Gaza incita ataques anti-semitas na França
 

 
 
Ataque israelense em Gaza
Ataques de Israel contra Gaza começaram em 27 de dezembro
A França vem registrando um aumento no número de ataques anti-semitas desde o início da ofensiva israelense na Faixa de Gaza.

Somente no domingo, três atos anti-semitas ocorreram em lugares diferentes do país. Dois coquetéis molotov foram lançados contra uma sinagoga em Saint-Denis, na periferia de Paris, região onde começou a onda de violência nos subúrbios franceses em 2005.

Ninguém ficou ferido, mas as vitrines de um restaurante judaico ao lado da sinagoga em Saint-Denis foram destruídas.

Na periferia de Estrasburgo, no leste da França, coquetéis molotov também foram lançados contra uma casa que funciona como local de orações para a comunidade judaica da região.

Em Puy-en-Velay, no sudeste do país, uma dezena de inscrições anti-semitas e pró-palestinas foram descobertas na manhã desta segunda-feira em um centro social próximo à mesquita da cidade. Frases como “é preciso matar os judeus”, “viva a Palestina” e “é preciso liberar Gaza” foram inscritas nas paredes do local.

Violência

As autoridades temem que o atual conflito possa incitar ainda mais atos de violência entre a população árabe e judaica do país.

“A França não vai tolerar que a tensão internacional se traduza em violências intercomunitárias”, afirmou o presidente francês, Nicolas Sarkozy, na semana passada, logo após o ataque contra uma sinagoga em Toulouse, no sudoeste da França.

Um carro em chamas foi lançado contra o prédio da sinagoga no momento em que um rabino dava aulas de religião a um grupo de adultos.

Outra sinagoga, no leste da França, foi pichada também na semana passada com as palavras “assassinos” e “viva a democracia israelense”.

“Nesse contexto muito preocupante, quero assegurar todos os judeus da Seine-Saint-Denis e da França que estamos solidários”, afirmou o prefeito de Paris, Bertrand Delanoë, em um comunicado nesta segunda-feira, após o anúncio do ataque contra a sinagoga de Saint-Denis.

“A atualidade trágica em Gaza não pode justificar a discriminação ou o uso da violência”, disse Delanoë.

Segundo a União dos Estudantes Judeus da França (UEJF), cerca de 30 atos anti-semitas teriam ocorrido na França desde o dia 27 de dezembro, data do início da ofensiva israelense na Faixa de Gaza.

A França possui entre 4 e 5 milhões de muçulmanos - a maior comunidade da Europa - e cerca de 600 mil judeus, uma comunidade também numericamente importante se comparada à de outros países no continente.

“Estou preocupada com a situação internacional. Um certo número de acontecimentos demonstram que grupos ou indivíduos podem tentar explorar os acontecimentos e transpor o conflito atual ao território francês”, afirmou a ministra do Interior, Michèle Alliot-Marie, em um documento enviado aos secretários de segurança pública do país.

Ofensa

Na última semana, quatro adolescentes foram indiciados por terem agredido e proferido insultos anti-semitas a uma aluna judia em uma escola em Villiers-le-Bel, uma periferia pobre de Paris, na região de Saint-Denis.

A jovem declarou aos policiais que os estudantes a insultaram de “judia suja” e teriam dito “não gostamos do que os teus irmãos estão fazendo em Gaza”.

A garota também foi agredida fisicamente com chutes e obrigada a tirar o casaco, apesar das temperaturas negativas, e comer neve.

“Vamos punir com rigor os que tentarem trazer o conflito para o território francês”, advertiu o primeiro-ministro, François Fillon.

“O conflito em Gaza não pode ser importado para a França”, afirmou Richard Prasquier, presidente do Conselho Representativo das Instituições Judaicas da França.

 
 
Ajuda brasileira
Suprimentos seguem para Gaza nesta segunda-feira.
 
 
Foguete em Gaza Relatos palestinos
Mãe e filha relatam horror dos ataques à Cidade de Gaza.
 
 
Alta Comissária de Direitos Humanos da ONU, Navi Pillay, durante reunião em Genebra Falta de socorro
ONU quer inquérito sobre possível crime de guerra em Gaza.
 
 
Ataque israelense na Cidade de Gaza Tire suas dúvidas
Entenda a recente escalada do conflito na Faixa de Gaza.
 
 
Ataque a Israel Oriente Médio
Norte de Israel é atacado do Líbano.
Veja
 
 
NOTÍCIAS RELACIONADAS
Israel envia reservistas para a Faixa de Gaza
12 janeiro, 2009 | BBC Report
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
 
 
Envie por e-mail   Versão para impressão
 
Tempo | Sobre a BBC | Expediente | Newsletter
 
BBC Copyright Logo ^^ Início da página
 
  Primeira Página | Ciência & Saúde | Cultura & Entretenimento | Vídeo & Áudio | Fotos | Especial | Interatividade | Aprenda inglês
 
  BBC News >> | BBC Sport >> | BBC Weather >> | BBC World Service >> | BBC Languages >>
 
  Ajuda | Fale com a gente | Notícias em 32 línguas | Privacidade