Quanto sua cidade esquentou?

O mundo está ficando mais quente. Julho de 2019 deve ser o mês mais quente da história – e as temperaturas em julho em quase todos os lugares da Terra foram mais altas nos últimos 10 anos em comparação com os anos 1880-1900, como mostra o mapa.

Mapa das mudanças na temperatura global desde 1900

Cientistas alertam que o aumento da temperatura global tem que ser limitado a 1,5 °C para evitar os efeitos mais devastadores das mudanças climáticas. As temperaturas registradas em 1850-1900, antes da industrialização em massa, são usadas como base de comparação.

A Terra já esquentou 1°C desde então.

Não parece muito, mas se nada for feito para limitar o aquecimento, o planeta pode enfrentar uma 'catástrofe', segundo o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), ligado à ONU.

O aumento no nível dos oceanos pode deixar centenas de milhares de pessoas desabrigadas. Eventos climáticos extremos, como secas, ondas de calor e tempestades também serão mais frequentes. O cultivo de alimentos como arroz, milho e trigo pode ser ameaçado.

Se o aquecimento global continuar no ritmo atual, as temperaturas devem subir entre 3°C e 5°C até o fim deste século.

Confira quanto a temperatura já subiu na região próxima à sua cidade – e o que vem pela frente.

Atualize seu navegador para ver este gráfico interativo

Deslize para baixo para descobrir

Vamos simplificar um pouco. Esta linha mostra a média em 10 anos para cada mês. Mas como as temperaturas vão estar em 2100?

Melhor cenário possível Temperatura projetada para 2100

Janeiro: {{temp}} C ({{diff}} desde 1900)

Julho: {{temp}}C {{diff}} desde 1900

Como isso deve acontecer?

As emissões de gases do efeito estufa chegam ao pico na primeira parte do século e então registram uma redução drástica. O objetivo é manter o aumento da temperatura global abaixo de 2°C, e isso requer medidas rigorosas para limitar as emissões.

Cenário de baixo-médio risco Temperatura projetada para 2100

Janeiro: {{temp}} C ({{diff}} desde 1900)

Julho: {{temp}}C {{diff}} desde 1900

Como isso deve acontecer?

As emissões atingem o pico em 2040 e então caem. Este é o cenário se as metas já estabelecidas por governos ao redor do mundo para enfrentar o aquecimento global forem seguidas.

Cenário de médio-alto risco Temperatura projetada para 2100

Janeiro: {{temp}} C ({{diff}} desde 1900)

Julho: {{temp}}C {{diff}} desde 1900

Como isso deve acontecer?

O resultado é parecido com o do cenário de baixo-médio risco, mas os gases do efeito estufa só começam a cair após 2080.

Pior cenário possível Temperatura projetada para 2100

Janeiro: {{temp}} C ({{diff}} desde 1900)

Julho: {{temp}}C {{diff}} desde 1900

Como isso deve acontecer?

Este é o pior cenário possível, no qual as emissões continuam subindo durante o século 21. Isso pode elevar as temperaturas globais entre 3°C e 5°C em 2100.

Como os cenários mostram, a situação real em 2100 vai depender de que tipo de medidas os países implementem nos próximos anos. O aumento de temperatura está diretamente vinculado aos níveis de CO2 no futuro.

Três exemplos do impacto do aquecimento

Mapa mostrando a localização de Nova York
Nova York Estados Unidos

Com uma população de mais de 8 milhões de pessoas, Nova York é uma das maiores cidades do mundo. Mas, por causa de sua localização na costa, a cidade está vulnerável a enchentes e tempestades, como as que acompanharam o furacão Sandy de outubro a novembro de 2012. As estações de metrô ficaram submersas, assim como os túneis que dão acesso à ilha de Manhattan. Houve corte de energia e mais de 50 pessoas morreram.

Furacões mais intensos devem acontecer com mais frequência devido ao aquecimento global. Isso pode aumentar o nível dos oceanos. Por ser uma cidade costeira, com um litoral de 1,5 mil km, Nova York está extremamente vulnerável a esses eventos climáticos. A Defesa Civil dos EUA estima que, no metade deste século, 25% da cidade – que abriga 1 milhão de pessoas – estará coberta de água.

Mapa mostrando a localização do Ártico
Ártico

O Ártico é muito sensível aos efeitos das mudanças climáticas e está esquentando duas vezes mais rápido do que o resto do mundo. A região é vista como um alerta do que está por vir em termos do impacto do aquecimento global.

Como outras regiões do mundo, o Ártico vem registrando um aumento nas temperaturas do ar e da água. O Oceano Ártico está coberto por gelo que derrete no verão e congela novamente no inverno. Nas últimas décadas, esse gelo está derretendo mais rápido do que congela no inverno, ocupando cada vez menos espaço. Isso vem contribuindo para a forte mudança de temperatura na região quando comparada ao resto do mundo.

Mapa mostrando localização de Jacarta
Jacarta Indonésia

A capital da Indonésia, que abriga 10 milhões de pessoas, é uma das cidades que submergem mais rápido no mundo. A parte norte da cidade está submergindo a uma taxa de 25 cm ao ano em algumas áreas. Esse ritmo dramático se deve à combinação da extração de água do lençol freático, que provoca subsidência, e elevação do nível do mar, provocada pelo aquecimento global. Uma barreira de 32 km e 17 ilhas artificiais estão sendo construídas para proteger a cidade a um custo de R$ 150 bilhões.

Mas especialistas dizem que esta é uma medida provisória. Eles argumentam que a extração de água do lençol freático precisa ser interrompida até 2050. Segundo esses especialistas, a cidade precisa encontrar outras fontes. Mas o aumento do nível dos oceanos deve representar um desafio, assim como para outras cidades do mundo. Essa elevação se deve à expansão térmica – a água se expande porque fica mais quente – e ao derretimento do gelo polar.