WhatsApp limita mensagens na Índia após notícias falsas levarem a linchamentos

Mulher mostra foto de Shantadevi Nath, na tela do celular. Indiana foi morta por multidão que acreditava que ela pretendia seqüestrar crianças, nos arredores de Ahmedabad, no estado de Gujarat, na Índia. O caso foi registrado em 27 de junho de 2018 e levou a polícia a pedir a à população que não acreditasse em falsos rumores espalhados pelo WhatsApp. Direito de imagem SAM PANTHAKYSAM PANTHAKY / AFP / Getty Images
Image caption Shantadevi Nath, que aparece na tela do celular, foi morta por uma multidão por causa de rumores de que pretendia sequestrar crianças

O WhatsApp anunciou que vai limitar o número de vezes em que mensagens trocadas por meio do aplicativo podem ser encaminhadas, especialmente na Índia, como forma de coibir a disseminação de informações falsas em sua plataforma.

O anúncio foi feito depois que uma série de linchamentos de pessoas na Índia foi relacionada a mensagens que circularam em grupos do WhatsApp.

Na quinta-feira, o governo reemitiu um alerta à companhia de que poderia sofrer consequências jurídicas se continuasse sendo uma "espectadora muda" do que estava acontecendo.

Com mais de 200 milhões de usuários, a Índia é o maior mercado do aplicativo.

O WhatsApp disse que seus usuários indianos "encaminham mais mensagens, fotos e vídeos do que os de qualquer outro país do mundo".

Grupos podem ter no máximo 256 pessoas. Muitas das mensagens que acredita-se terem sido o gatilho para os atos de violência foram encaminhadas para vários grupos que tinham mais de 100 membros cada.

Restrição ao volume de mensagens

Em seu site, a empresa anunciou que estava "lançando um teste para limitar o encaminhamento de mensagens que será aplicado a todos que usam o WhatsApp".

No entanto, na Índia, essa opção será ainda mais restrita. Um porta-voz da companhia disse à BBC News que cada pessoa poderá encaminhar uma mensagem para cinco outras conversas, sejam elas com uma única pessoa ou para grupos.

Também será desativado o botão exibido ao lado de mensagens contendo foto, áudio e vídeo e que facilita seu reenvio para várias outras pessoas ao mesmo tempo de uma só vez.

A empresa acredita que, ao tornar esse processo mais trabalhoso, deve reduzir a frequência com que mensagens são reenviadas para múltiplos contatos no país.

O WhatsApp não informou quais serão as restrições aplicadas fora da Índia, mas uma fonte disse ao site CNNMoney que o limite será de 20 conversas.

"Acreditamos que essas mudanças, que vamos continuar avaliando, ajudarão a manter o WhatsApp como o que ele foi feito para ser: um aplicativo de mensagens privadas", disse a empresa.

Essa é a terceira medida anunciada nas últimas semanas pelo WhatsApp para impedir que rumores sejam espalhados usando o programa.

O serviço já anunciou que mensagens encaminhadas serão claramente identificadas assim para diferenciá-las de mensagens criadas pelo rementente.

Também lançou uma função que permite que administradores de grupos controlem quem pode publicar mensagens para seus participantes.

Image caption Kaalu estava à procura de emprego quando também foi apontado como possível sequestrador após vídeo circular no WhasApp; ele acabou sendo morto

Linchamento de inocentes

As mudanças no aplicativo ocorrem após uma série de linchamentos que resultaram em pelo menos 18 mortes na Índia desde abril. Dados divulgados na mídia, entretanto, apontam um número de mortes ainda maior.

A violência tem sido atribuída a rumores de sequestros de crianças espalhados pelo WhatsApp, que levaram estranhos a serem atacados nas ruas. Segundo a polícia, está sendo difícil convencer a população de que as mensagens são falsas.

Em um dos casos que ajudaram a espalhar o pânico e contribuíram para um final trágico, um vídeo compartilhado por meio do aplicativo mostra, em plena luz do dia, uma criança sozinha na rua ser agarrada por um motociclista e, de repente, levada embora, para desespero dos vizinhos.

A cena na verdade, se tratava de mais um caso de notícia falsa - ou fake news, como o termo ficou popularmente conhecido.

A reprodução deste formato de vídeo não é compatível com seu dispositivo
Vídeo com notícia falsa viraliza no WhatsApp e causa linchamento de inocente na Índia

O vídeo original tinha cunho informativo e havia sido gravado por autoridades do Paquistão para alertar sobre a segurança de crianças nas ruas de Karachi, a cidade paquistanesa mais populosa.

Na segunda parte do vídeo, o "sequestrador" pode ser visto devolvendo a criança e segurando um cartaz em que se lê: "Basta apenas um momento para uma criança ser sequestrada nas ruas de Karachi".

Segundo as autoridades indianas, essa parte foi retirada do filme compartilhado.

TVs locais também contribuíram para semear o pânico, ao alertar moradores de que 5 mil sequestradores de crianças haviam entrado pelo sul da Índia.

"Depois de assistir a esses vídeos e às notícias, ficamos preocupados com a segurança de nossas crianças. Não queremos deixá-las sozinhas nas ruas", diz uma moradora.

O resultado do vídeo falso não poderia ser mais trágico.

Vítimas foram caçadas nas ruas

Um homem de 26 anos que estava em Bangalore procurando emprego foi apontado por alguns moradores como um dos sequestradores. Ele teve as mãos e pernas amarradas, foi agredido, arrastado pelas ruas e morreu a caminho do hospital.

O caso foi registrado no final de junho. No mesmo período, uma mulher identificada como Shantadevi Nath também foi morta por uma multidão que acreditava que ela pretendia sequestrar crianças, nos arredores de Ahmedabad, no estado de Gujarat.

Em um outro linchamento recente, no estado de Tripura, no nordeste do país, a vítima foi um homem empregado pelo governo local justamente para ir a vilarejos dispersar rumores espalhados pelas redes sociais.

Direito de imagem AFP
Image caption A Índia é o maior mercado do WhatsApp e o compartilhamento de notícias falsas por meio do aplicativo tem preocupado autoridades

O governo da Índia já havia alertado ao WhatsApp - empresa de propriedade do Facebook - de que a companhia não poderia se esquivar de sua responsabilidade pelo conteúdo que seus usuários estavam compartilhando.

O WhatsApp respondeu que estava "horrorizado com esses atos de violência terríveis" e que a situação era um "desafio que requer que o governo, a sociedade civil e as empresas de tecnologia trabalhem juntas".

O aplicativo de mensagens é isoladamente o maior serviço baseado na internet disponível para a população na Índia. Ele tem um alcance enorme, permitindo que as mensagens se espalhem com velocidade e que, a partir delas, multidões se reúnam rapidamente.

No início deste mês, a empresa destacou os passos que estava tomando para ajudar a resolver o problema, o que incluía permitir que os usuários saíssem de grupos e bloqueassem as pessoas com mais facilidade.

A companhia também publicou anúncios de página inteira em jornais do país com dicas para identificar notícias falsas.

Tópicos relacionados

Notícias relacionadas