Egípcios fazem manifestação pedindo Estado islâmico

ilhares de pessoas lotaram a praça Tahrir, no Cairo, nesta sexta-feira, respondendo à primeira convocação de manifestações feita por líderes islâmicos desde que o presidente Hosni Mubarak foi deposto em fevereiro.

Diversos ativistas - liderados por partidários da Irmandade Muçulmana - pedem um Estado islâmico e a implantação da sharia (lei islâmica).

O correspondente da BBC no Cairo, Jon Leyne, diz que os protestos são um motivo de preocupação para os secularistas egípcios.

Segundo Leyne, as manifestações são uma demonstração de força não só da Irmandade Muçulmana, mas também dos muçulmanos ortodoxos.

Apesar de não ter sido proeminente durante o levante popular, a Irmandade é a força política mais organizada do Egito.

Os grupos secularistas e islâmicos do Egito divergem sobre a transição para a democracia no país.