Escolas de Pequim fecham as portas para filhos de migrantes do interior da China

Escolas da capital chinesa, Pequim, têm fechado as portas para filhos de migrantes do interior do país. Alguns edifícios chegaram a ser demolidos.

Segundo a imprensa local, pelo menos 14 mil crianças estão proibidas de frequentar as salas de aula no sistema público. Para boa parte delas, não há outra opção.

Na China, o deslocamento de trabalhadores de uma região à outra do país é controlado pelo governo central. Boa parte dos migrantes, que troca o interior pobre pelas ricas cidades da costa chinesa, não tem acesso a serviços públicos.

As autoridades alegam que muitas dessas escolas não têm permissão para receber os filhos dos migrantes.