Paquistão condena à morte assassino de político que criticou lei islâmica

A Justiça do Paquistão condenou à morte o assassino de um proeminente político liberal que se opunha à chamada lei da blasfêmia, que pune até com a pena capital os indivíduos que ofenderem o Islã.

A morte do governador da província da Punjab, o liberal Salman Taseer, em janeiro, dividiu o país: parte da opinião pública paquistanesa condenou o crime, e parte elogiou o seu autor, o policial Malik Mumtaz Hussein Qadri.

Na época, Qadri trabalhava como guarda-costas do governador. Durante o julgamento, o réu assumiu a culpa e disse que, como muçulmano, sentia-se honrado de ter cometido a execução.

Apenas algumas semanas após a morte de Taseer, o ministro das Minorias do Paquistão, Shahbaz Bhatti – o único ministro cristão no gabinete paquistanês e também contrário à lei da blasfêmia –, foi assassinado por dois homens que cravejaram de balas o carro em que ele viajava.