Contraceptivo popular na África 'pode alastrar epidemia de Aids', alerta estudo

Um estudo publicado na Grã-Bretanha indica que um contraceptivo popular utilizado por mulheres no leste e no sul da África aumenta as chances de contrair Aids.

O estudo foi feito com quase 4 mil casais em sete países africanos, e publicado na revista <i>Lancet Infectious Diseases</i>.

Segundo os pesquisadores, uma injeção de hormônio amplamente utilizada como contraceptivo nestas regiões duplica o risco das mulheres de contrair o vírus HIV ou repassá-lo a seus parceiros.

Para os cientistas, o dilema é que as injeções têm muitas vantagens: são baratas e fáceis de serem aplicadas, e geram efeitos por meses. Além disso, evitam a gravidez indesejada em centenas de milhares de mulheres.

Na opinião dos autores do estudo, as autoridades de saúde devem promover o uso de camisinhas como proteção adicional contra o HIV.