Cortes na Otan podem inviabilizar ações futuras, diz secretário dos EUA

O secretário da Defesa dos EUA, Leon Panetta, disse nesta quarta-feira que os profundos cortes no orçamento da Otan (aliança militar ocidental) podem impossibilitar futuras operações como as realizadas na Líbia e no Afeganistão.

"Existem questionamentos legítimos quanto a se, caso a atual tendência (de cortes nos orçamentos da defesa dos países da Otan) continue, a aliança será capaz de sustentar o tipo de operações que vimos na Líbia e no Afeganistão, sem que os EUA tenham que arcar ainda mais (com os gastos)", afirmou Panetta, em discurso em Bruxelas.

O secretário descartou a ideia de que os EUA, com seu amplo orçamento militar, possam absorver mais custos na Otan, já que o país tem como meta cortar US$ 450 bilhões em gastos de defesa nos próximos dez anos.

Panetta pediu que, em meio às pressões econômicas, os países da aliança militar coordenem seus custos e compartilhem suas habilidades.

"Será um desfecho trágico se a aliança limar as mesmas capacidades que a permitiram conduzir operações bem-sucedidas", afirmou, segundo a agência Associated Press.