Cresce oposição de políticos gregos a referendo

A crise política grega foi acentuada após quatro ministros do governo grego e vários membros do parlamento da Grécia declararem oposição ao plano do primeiro-ministro do país de fazer um referendo para perguntar à população se a Grécia deve ou não aceitar o plano de austeridade negociado com a União Europeia.

O ministro das Finanças, Evangelos Venizelos, disse que a participação da Grécia na Zona do Euro foi uma conquista histórica que não pode agora depender de um referendo.

O ministro do Desenvolvimento, Michalis Chryssohoidis, disse que a prioridade deve ser dada à ratificação, pelo parlamento, do acordo de ajuda fechado com a UE, pelo qual credores privados aceitariam uma redução de 50% no volume devido pela Grécia.

O correspondente da BBC em Atenas disse que o primeiro-ministro grego, George Papandreou, já não terá maioria em votações e seu governo está agora próximo de um colapso.